terça-feira, 29 de junho de 2010

Mais um dia desperdiçado, preciso mudar isso

Mais um dia começa para mim e como não poderia ser diferente estou no laboratório de informática do campus I da universidade onde estudo. Está nublado e frio lá fora, mas gosto quando a temperatura está assim.

Ontem à noite quando saia da faculdade lá pelas 17h40min fiquei pensando em mais um dia que tinha desperdiçado tirando a parte da manhã que tive aula de Reabilitação Vocal e a professora nos ensinou mais algumas técnicas de voz e fora isso o meu dia se resumiu a nada, meu humor estava começando a mudar de novo.

Procuro depois das aulas, matar o máximo de tempo que posso na faculdade, ou seja, fico na biblioteca a onde leio alguns livros que me interessam e logo mais me dirijo para os computadores. Se faço isso, é pelo simples fato de não ter que voltar tão cedo para casa porque meu pai passa a maior parte do tempo trabalhando, fazendo os seus processos, ele mesmo diz que não daria certo trabalhando em escritório por ser uma pessoa difícil de lidar.

E se faço isso é pelo simples fato de não ter que chegar em casa e de cara já ter que fazer o que me pede porque ao chegar em casa tudo o que mais quero é poder relaxar, comer alguma coisa enquanto escuto rádio e ficar na minha.

Meu pai não entende as razões pelas quais fico de mal humor, pra ele sou eu que crio confusão. Então quando estou perto dele procuro e tento disfarçar ao máximo a minha irritabilidade. Quando cheguei em casa ontem a primeira coisa que fiz foi comer porque durante o dia todo não fiz nenhuma refeição e depois tive que encarar uma louça pra lavar, mas antes resolvi fazer um pão e enquanto ia colocando os ingredientes na máquina, meu pai fazia uma "limpa" na geladeira e quando viu que eu estava enchendo o copo com a farinha passando da borda, ele me falou que não precisava encher tanto porque se não iria cair pra fora do copo, eu apenas acatei não falei nada e terminei de colocar todos os ingredientes na panificadora.

O fato é que meu pai me sufoca às vezes, pois parece que tenho que cuidar como faço as coisas e com isso muitas vezes fico nervoso e acabo cometendo alguns erros.

Mudando de assunto, estou a pé praticamente. Não pedi dinheiro para o meu pai e até tenho medo de pedir parece mentira um negócio desses. Hoje irei até o trabalho da minha irmã e lá pegarei R$ 100,00 que a minha mãe deixou pra mim. Vou tentar não gastar esse dinheiro, mas terei que tirar R$ 30,00 pra pagar a inscrição que fiz pro concurso para o cargo de agente comunitário de saúde. Se conseguir passar, terei um salário de R$ 700,00 não sei nem o que é isso. Por tanto preciso me esforçar, estudar, passar porque só assim poderei ter o meu dinheiro para poder comprar o que quero e não ter que depender de ninguém.

Enquanto fica essa indefinição do IBGE porque não sei se serei chamado, preciso me mexer ir atrás de emprego e fazer concursos públicos porque se não continuarei a ficar queixando-me da vida, sendo que ninguém poderá ajudar-me a não ser eu mesmo.

Espero um dia, quem sabe ao invés de reclamar de mais um dia desperdiçado poder comemorar mais um dia aproveitado.

domingo, 27 de junho de 2010

Semana Decisiva

Esta semana será decisiva para mim porque saberei se pegarei exame ou não. Em relação à disciplina de Reabilitação Vocal estou tranqüilo e acho que conseguirei passar, mas na outra não estou nada esperançoso e tenho quase 100% de certeza que reprovarei e se isso acontecer não saberei nem como enfrentar o meu pai. Ou eu falo a verdade ou eu minto, maquiando as minhas notas e apresentando a ele.

As minhas argumentações não adiantam, ele não entende e não compreende, acha que o curso de fonoaudiologia é o melhor para mim e que meu futuro estará garantido. Se eu pudesse escolher o que gostar com certeza esta história seria bem outra. Até posso repensar a respeito do curso pelo simples fato de eu ser o único homem e me sentir deslocado no meio das minhas colegas. Pensando friamente, tornei-me uma pessoa irresponsável e acomodada e não consigo evoluir e crescer como pessoa.

Não gosto de estudar e sempre passei com as "calças na mão". Na época de colégio pelo menos eu me esforçava, dava o "sangue" e conseguia a aprovação e hoje nesta vida acadêmica vejo-me como uma pessoa apática e sem vontade.

Preciso ter garra e vontade, mas não consigo, e no momento até parece que não estou prestes a reprovar em uma cadeira. Estou normal, sem reação alguma e isso talvez tenha explicação pelo simples fato desta distimia me acompanhar quase sempre.

Muitas vezes renasci das cinzas, mas eram outras ocasiões que vivenciei e que fizeram com que eu tivesse força de vontade, garra e perseverança. Fui um guerreiro e hoje sou apenas uma caricatura, um ser insignificante que carrega um vazio enorme dentro do coração.

A dificuldade penso eu, deve-se fazer presente porque é através dela que poderemos tirar algumas lições, mas, no entanto parece que não consigo aprender nada.

A semana que se inicia promete, como vai ser não sei. Hoje pelo menos estou de bom humor e amanhã não sei como estarei. Isso é a Distimia que tenho que encarar diariamente.

No momento estou confuso e sou tão critico quando escrevo que sou capaz de pensar que este texto não está bom, que há algum problema de concordância, palavras repetidas, as idéias estão fora de contexto e etc.,

Enfim, se pudesse não comparecer na aula de quarta-feira na qual a professora entregará a prova não apareceria porque não iria querer passar pelo constrangimento de ver a professora comentando a minha prova, a minha dificuldade para as minhas duas colegas que fazem esta disciplina comigo, mas infelizmente esta situação terei que enfrentar.

Maus Tratos a Animais, Isso Tem Que Ter Fim!

Tem certas coisas que cortam o coração de qualquer pessoa que tenha sentimentos, ainda mais quando maltratam um animal indefeso. Quando vejo noticias de maus tratos contra esses seres indefesos que para muitos são como se fossem parte da família, fico indignado por existir pessoas cruéis que são capazes de fazer isso.

Há alguns minutos estava olhando o Domingo Espetacular, na Record e me comovi com as histórias de um cavalo que teve seu corpo queimado com gasolina por um "monstro" e um cachorrinho que no canil chorava a todo instante não esboçando nenhuma alegria e sim um semblante triste.

Sou uma pessoa que ama animais, tenho dois gatos, já tive cachorro, papagaio e posso dizer que estes felinos são os meus melhores amigos porque me dão carinho e me ouvem.

Nunca esquecerei um momento triste que presenciei, na época morava com a minha mãe e estava jogando vídeo game com a minha irmã e de repente o nosso gato siamês, o Tom chega da rua miando e nós começamos a estranhar aquele miado. Tentamos dar leite na seringa e nada, depois ficou enrolado numa coberta e parece que adivinhando que a sua "hora estava chegando ele foi até o quarto da minha mãe e começou a convulsionar e em questões de minutos vi o nosso gato morrer na minha frente. Fiquei muito triste e quando fui deitar chorei bastante como se tivesse perdido um ente querido.

Aqui na casa do meu pai um dos gatos é siamês também só que misturado com persa e apareceu do nada e nós o adotamos e sempre quando estou triste ou choro num canto ele vem, se esfrega nas minhas pernas e senta do meu lado. Parece que entende o que se passa.

Então é de se indignar quando uns "monstros" fazem isso com os animais que não tem chance de se defender. Não acompanho a legislação, sou leigo e pouco sei, mas penso que pessoas assim devem ter uma punição exemplar que as faça pensar duas vezes antes de maltratar um animal.

Na internet tem vários vídeos em que aparecem pessoas fazendo atrocidades que nem gosto de comentar porque são cenas muito fortes, aparecem animais agonizando ao terem, por exemplo, o seu pelo arrancado, só pra citar este exemplo. É muito triste!

Se eu tivesse condições financeiras com certeza criaria uma ONG ou alguma coisa que visasse a proteger os animais e recolhe-los da rua, tratando e conseguindo pessoas de bons sentimentos para adotá-los e dar todo carinho que necessitam.

Embora os animais não sejam pessoas racionais como nós, penso que têm sentimentos como qualquer ser humano e em alguns casos são os nossos melhores amigos, os únicos que podemos confiar de verdade.

Pra finalizar se pudesse encabeçar uma campanha, seria mais ou menos assim: Maus tratos a animais, isso tem que ter fim!

sábado, 26 de junho de 2010

Estou Calmo e Sereno

Esta semana foi meio complicada, devido ao estresse e incomodo que tive com o meu pai, mas agora está tudo resolvido ainda bem. Foi uma coisa banal, insignificante porque ele pensou que eu havia esquecido de tirar a impressora da loja e trazê-la para casa e o que aconteceu foi justamente o contrário pois a minha madrasta e ele foram até loja e recolheram a impressora. Então, agora tudo está resolvido.

Durante o dia fiquei pensando na pessoa que havia me tornado. Sim. A depressão e a distimia colaboraram e muito para que me tornasse irresponsável, sem metas e objetivos. Complicado é, saber o que tenho de ruim, mas, no entanto tenho dificuldades para mudar e me tornar uma pessoa melhor.

Ontem à noite a minha madrasta queria me falar a respeito do exame que terei que fazer, mas meu pai, não sei cargas d'água a cortou, falando outra coisa (meu pai gosta as vezes de nós cortar quando falamos) e o assunto não teve continuidade. Hoje de manhã ela me contou que queria me levar no HPS a onde poderia fazer a tomografia computadorizada sem ter que pagar a bagatela de R$ 400,00 para o plano de saúde.

Como já me referi em outros posts, este exame poderá ser o meu divisor de águas porque através dele poderei quem sabe descobrir o porquê de eu ter dificuldades de atenção e aprendizagem e outras coisas que podem ser elucidadas.

A minha mudança é necessária, sei que preciso mudar, mas por enquanto terei que aguardar as cenas dos próximos capítulos desta novela que mais parece um dramalhão mexicano.

No momento estou bem humorado sem saber como estarei amanhã.

Abraços!

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Amigo: Que saudade!

Querido amigo, nesta ultima terça-feira completou um mês que partiste, parece mentira, mas como passou rápido.

Queria ter dito a você pessoalmente o quanto era e és especial para mim e que mesmo não estando mais presente, a sua lembrança permanecerá viva para sempre na minha memória e no meu coração e também no daqueles que tiveram a oportunidade e o prazer de ter lhe conhecido.

Prefiro pensar que apenas fizeste uma viagem a onde você foi rever alguns parentes e amigos e que qualquer hora voltará trazendo na bagagem a sua alegria que a todos contagiava.

É difícil de acreditar, complicado é entender por que. Não consigo compreender e achar a resposta para este “porque”.

Campeão, esta frase não sei se vi em algum lugar ou a inventei, mas costumo usá-la bastante num momento como este no qual encontro dificuldade de assimilar isso tudo que é mais ou menos assim: A dor passa e a saudade fica. E que saudade!

Quero acreditar que exista um Deus e que um dia quando chegar a hora da minha partida neste lado, eu possa reencontrá-lo dar um abraço apertado e dizer o quanto eu gosto de você.

Se você estiver em algum lugar, quero que saiba, embora não sendo parentes de sangue sempre o tive como um “tio de coração” que quando me via sozinho chegava e sentava do meu lado, tomávamos uma cerveja e ríamos bastante.

Lembro que em outro momento quando estava numa mesa sentado sozinho você venho e levantou o meu astral fazendo inclusive com que eu imitasse o Lombardi e o Sílvio Santos como fazia nos meus áureos tempos de colégio a onde tinha um repertório de imitações, imitava todo mundo e até os professores pediam que eu os imitasse.

E o seu óculos hein? Como esquecer daquela vez em que você e o seu filho me arrastaram para ir até a lagoa a fim de deixar umas “esperas” pra pegar peixe num final de tarde. Eu sem camisa, os mosquitos me picando foi engraçado e quando terminamos fomos para a casa e lá você se deu conta que havia perdido os óculos na lagoa e na maior descontração você pegou um óculos de sol e colocou sem estresse ou incômodo algum. Já no dia seguinte o seu sobrinho e o filho da “Alemoa” acharam dentro da lagoa os seus óculos que estavam intactos.

São muitas as recordações de momentos bons, divertidos, engraçados que convivemos juntos.

Lembra que você queria falar comigo a respeito do meu problema, pois bem, quero jurar que se tudo der certo com o meu tratamento prometo que mudarei e isso será por você que sempre me tratou com respeito e carinho.

Espero que qualquer dia a gente possa se encontrar como diz naquela bela música: Canção da América de Milton Nascimento.

Valeu Campeão, pra sempre no meu coração.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Um Barco à Deriva

É mais um semestre que pegarei exame e reprovarei alias cada final de semestre é um filme de terror porque geralmente pego exame e nem preciso dizer que um dos principais motivos é a minha desmotivação de estar fazendo um curso que não tem nada a ver comigo obrigado pelo meu pai e também porque tenho que definir as cadeiras que farei no próximo semestre.

Estou relaxado e estressado, tudo que eu mais queria agora era ir para uma praia deserta e ficar lá no meu silêncio sem ninguém tendo que ficar me mandando a toda hora. Meditando e relaxando. Preciso de paz!

Ando saturado e isso não é novidade ainda mais tendo que lidar com essas oscilações de humor. Quando estou mais ou menos, vou levando, mas quando estou triste, meio deprê fico pior ainda.

Hoje de manhã iria pegar a carteirinha do plano de saúde para que pudesse fazer uma tomografia computadorizada e acabei esquecendo. De noite terei que pedir para o meu pai novamente e este exame, creio eu, possa abrir um novo horizonte para mim, sendo que seria importante saber o porquê de eu ter esse problema de esquecimento e este déficit de atenção e se não der nada de anormal poderei dizer com toda a propriedade que esses problemas são todos de cunho emocional porque a depressão em alguns casos limita a pessoa, faz com que perca o interesse de fazer as coisas que fazia com prazer e influencia na memória e também na aprendizagem.

Tudo que posso dizer é que sou como um barco a deriva, não consigo achar um norte. É isso! Mas, contudo vou lutando contra a maré. De tarde já imprimi umas dez cópias de currículo e a partir daí já começo a batalha. Não sei ainda quando e se o IBGE irá me chamar para trabalhar como recenseador, mas é uma possibilidade e agora também abriu um concurso para a minha cidade pra trabalhar como agente de saúde, nível fundamental e salário de R$ 700,00.

Posso dizer que nesta turbulência toda ainda consigo sonhar e fico imaginando como ficarei quando arranjar um emprego de carteira assinada e o que farei com o meu primeiro salário.

Tenho apenas uns R$ 18,00 ainda e vou segurar, logo mais começa a escurecer e aí irei a pé para casa. Amanhã não terei aula, devido aquela cadeira que cancelei, mas mesmo assim prefiro vir na universidade a aonde vou à biblioteca, leio alguns jornais e depois vou para o computador a onde olho os meus e-mails, vejo as últimas notícias e dou boas risadas vendo vídeos no youtube.

Não sei o ambiente que me espera de noite lá em casa, mas posso dizer que não vou engolir desaforo algum. Cansei!

Ainda Estou Indignado!

Ainda estou indignado pela injustiça que meu pai cometeu comigo e ainda mais por ter dito que não podia pedir nada para mim, porque com certeza faria tudo errado. Sei muito bem das minhas limitações e posso dizer mais, qualquer pessoa que sofre de depressão sabe muito bem os seus defeitos e não conseguem ver suas qualidades, diferentemente de algumas pessoas ditas "normais" que não sofrem nenhum distúrbio emocional e não conseguem ver as suas falhas, mas nem todas são assim.

Sobre a incomodação que tive segunda-feira, sei que também estou errado porque meu pai perguntou se eu não conseguiria passagens de ônibus mais baratas porque talvez queira economizar, sendo que semanalmente sou obrigado a pedir R$ 50,00 pra poder cobrir as despesas que tenho durante a semana e, no entanto, quero estar me equivocando, mas pela minha interpretação ele pagará estas passagens mais baratas e me dará uns trocadinhos.

Mudando de assunto, ontem cheguei em casa, nem cumprimentei o meu pai, fiquei direto no quarto e depois quando desceu para cozinha me chamou gentilmente como se nada tivesse acontecido pedindo para que pegasse uma impressora que conseguiu emprestada e instalasse e depois deveria lavar a louça. Fui seco, nem dei muito papo.

Tentei instalar a impressora, mas não consegui porque não tinha o driver e eu olhei em alguns sites, mas não deu e ele percebendo que eu não estava conseguindo disse que poderia deixar assim, pois chamaria os rapazes que consertaram o computador amanhã (hoje). Desci para a cozinha fiz um café para ver se não pegava no sono, pois precisaria estudar para a prova que terei hoje. Que nada! Cochilei em cima da mesa.

Enquanto estava na cozinha meu pai estava no andar de cima da casa sozinho e olhando tevê e pensei comigo: tem mais é que ficar sozinho pra aprender a dar valor para as pessoas que são mais próximas a ele.

Minha madrasta chegou da aula e era mais ou menos umas 23h30min. Jantamos depois meu pai me deu boa noite e eu respondi meio rispidamente.

Agora de manhã enquanto me arrumava preparando-me para ir pra faculdade meu diz que a minha madrasta sem saber "foi atrás" e descobriu se tinha passagens de ônibus com desconto, eu apenas falei "ah" e fui embora.

Confesso que fiquei com raiva, sei que devo economizar e se eu consigo passagem com desconto devo aproveitar, mas do jeito que caminho, sim ao invés de pegar quatro ônibus por dia como é o certo, venho pegando dois e às vezes um. Caminhando bastante e o dinheiro que sobra, uso para cobrir minhas despesas como, por exemplo: comprar um gel pra cabelo, ou um desodorante que está em falta.

O fato de meu pai ser "pão duro", "mão de vaca" e "mão fechada" faz com que eu tenha mais vontade de mudar e ir em frente.

Quero ver como ficará os horários das disciplinas para o próximo semestre e se meu pai reclamar pra mim a respeito do que eu gasto, falarei pra ele que tenho 23 anos, não tenho dinheiro para comprar a calça que eu quero o tênis que eu quero o cd de música que eu quero o livro que eu quero. Enfim, sou apenas uma pessoa que gostaria de poder satisfazer as suas vaidades e no momento isto se torna impossível, visto que meu pai não entende essas coisas e acha que posso viver assim até me formar.

Estou muito exaltado, não sou mais o mesmo, ando muito nervoso e sem paciência pra nada, preciso me acalmar e recuperar a serenidade e isso só será possível quando começar a ter atitude e passar a ganhar o meu dinheiro porque a partir disso passarei a me sentir mais gente, mais digno e fora que minha auto-estima que está lá embaixo, se levantará e dará um "up" como costumo dizer.

Após essa postagem, tentarei estudar para uma prova que não sei se vou passar, não é fácil, mas preciso lutar e sobreviver a isso tudo.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Mais incomodação com o meu pai!

No post anterior relatei o que me ocorreu ontem de manhã quando precisei pedir dinheiro para o meu pai e como desgraça pouca é bobagem, me incomodei com ele. Ontem à tarde enquanto estava na universidade meu pai me liga perguntando a respeito da outra impressora, visto que a multifuncional dele estava com problemas e mandou para o conserto e como tínhamos a outra que sequer foi usada na loja, ele queria saber a onde estava. Disse que não sabia e talvez a minha madrasta soubesse.

Cheguei de noite em casa com fome e louco para relaxar, dou um “oi” para o meu pai e ele me questiona a respeito da impressora e novamente falei que não sabia a onde estava e que não me lembrava de ter pegado na loja. Pronto! A situação estava feita e fui obrigado a engolir um monte de desaforos porque meu pai pensou que deixei o equipamento na loja que hoje está alugada. Só para explicar, quando fui lá na última vez foi justamente para remover o computador e outras coisas que tinham lá e fora isso não tinha nenhum outro equipamento lá.

Não me irritei no momento apenas retruquei que tudo recaia sobre mim pelo simples fato de ser esquecido e ainda tive que ouvir que ele não podia pedir nada para mim que eu fazia tudo errado.

Fui para o meu quarto, sentei na cama e ao mesmo tempo em que pensava a onde poderia estar esta bem dita impressora, comecei a pensar em sair de casa, desaparecer, talvez se acontecesse uma desgraça comigo seria bem melhor e ele se culparia bastante por me agredir emocionalmente.

É um absurdo! Ainda tive que o ouvir falando para a minha madrasta que tinha dinheiro para comprar uma impressora e que isso não era nada para ele e no entanto chora para me dar R$ 50,00, fora também que se queixou de mim para ela.

Então passado uns minutos meu celular toca, é minha madrasta que explica o que meu pai não quis ouvir, ou seja, diz que eles pegaram esta impressora na loja e que estaria guardada na peça a onde estão os vinhos. Falei que iria procurar e confirmei que ligaria casa a encontrasse.

Desci até a cozinha, fui à peça que fica entre a cozinha e a garagem e vi uma caixa de impressora e em cima dela uma pilha de jornais velhos, tirei os jornais de cima da caixa e vi que o equipamento estava lá. Foi aí então que fiquei com raiva por tudo que tive que escutar do meu pai, sendo acusado de ter esquecido a impressora lá na loja.

Peguei a impressora e prontamente subi as escadas me dirigindo até o gabinete a onde ele se encontrava e a coloquei em cima da mesa. Não falei nada devido a minha indignação.

Depois liguei para a minha madrasta para confirmar que tinha achado e logo mais me tranquei no quarto e comecei a chorar de raiva e frustração e volta e meia pensava no meu amigo porque nos poucos momentos que tive a felicidade de conviver com ele, sempre foi uma pessoa maravilhosa para mim, tratando-me com carinho. Como esquecer o seu abraço e aperto de mão amigo, das nossas conversas na Lagoa e de quando falou para o meu pai que ele não sabia o filho que tinha. Essas lembranças de carinho e afeto vêm em minha mente não tenho como evitar.

Logo que passou essa crise de choro fui me barbear e tomar banho porque queria estar com uma aparência razoável caso fosse entregar algum currículo no dia seguinte.

Como falei no primeiro parágrafo, desgraça pouca é bobagem porque quando meu pai foi se deitar resolvi instalar a impressora apesar da injustiça que fez comigo. Pois bem, conectei os cabos, sendo que o da impressora liguei no filtro de linha sem me dar conta que a voltagem do equipamento era 110 volts e aqui em casa a voltagem tem que ser 220 volts. Não percebendo o erro que havia cometido liguei o computador e depois vi que desligou sozinho e aí me bateu o pânico porque chequei as tomadas e constatei que havia “queimado” tudo. E vi que havia errado em não ligar o cabo da impressora no estabilizador, mas se fiz isso é porque me baseei na maneira em que a multifuncional que nos temos era instalada.

Fiquei sentado no chão, estático sem saber o que fazer pensando que no dia seguinte estaria “morto” e foi quando me ocorreu a idéia de ligar o computador direto na tomada e percebi que não estava tão ferrado assim, mas, no entanto precisava ligar o mondem para que a internet pudesse funcionar. Me lembrei que tinha outro filtro de linha que nem chegamos a usar na loja e então peguei e conectei todos os cabos e a partir daí fiquei mais calmo. Era mais ou menos 23h30min quando consegui ajeitar tudo. Minha madrasta chegou da aula e conversamos bastante a respeito do ocorrido e depois fui dormir.

Ainda estou chateado, não dei nem bom dia para o meu Pai, é muito fácil dar "uns coices" e depois vir como se nada tivesse acontecido. Desta vez não fui eu que pisei na bola.

Vou ficar boa parte do tempo na faculdade hoje porque terei prova amanhã e nem estou com cabeça para estudar e até acho que vou reprovar nesta cadeira como citei num dos posts e isto será outra incomodação pra mim.

Fico por aqui, não sei como será meu dia hoje, mas por hora olharei alguns vídeos no youtube, checarei meus e-mails, darei uma conferida nas notícias do dia e depois tentarei estudar um pouco embora que não tenha vontade nenhuma de fazer isso.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Meu pai, um legítimo mão de vaca!

Poderia ter acordado bem hoje, mas não. O que eu posso fazer? Toda semana sou obrigado a pedir dinheiro para o meu pai pra poder pagar as passagens de ônibus que gasto e as despesas que tenho na faculdade como almoço e de vez em quando uma Xerox que tenho que tirar.

Quando estava prestes a mergulhar nesta faculdade que tanto odeio, meu pai falou pra mim que não precisava trabalhar e que iria me bancar e eu conivente com isso tudo aceitei porque não tinha acordado para a realidade, ou melhor, dizendo a minha realidade.

Estou com 23 anos e parado no tempo, se for observar os colegas de escola que se formaram comigo verei que estão trabalhando, estudando e fazendo o que gostam, tendo o seu dinheiro para comprar e suprir suas necessidades e eu não conto com isso. Passeio no shopping, olho alguns tênis, CDs, livros, roupas e etc., mas tenho como comprar e aí tenho que recorrer para o meu pai.

Hoje de manhã quando acordei, me arrumei, coloquei o lixo pra fora e pensei comigo "que droga, vou ter que pedir dinheiro pro meu pai". Cheguei no gabinete, é lá que ele trabalha, faz os seus processos, lê suas notícias, pois bem, falei que precisava de dinheiro para as passagens e as despesas da semana e ele me perguntou quando foi a última vez que me deu dinheiro. Respondi que na segunda-feira passada e aí ele me falou pra ver se não consigo passagens mais baratas com desconto e tudo mais, como se tivesse reclamando de ter que me dar mais R$ 50,00. Ele então me deu o dinheiro e de noite disse que iria me perguntar a respeito das passagens.

Saí de casa irritado, caminhando a pé até o centro e durante o caminho ia resmungando, pois a nossa situação não é calamitosa ainda bem. Meu pai tem condições, mas o fato é que ele é muito mão de vaca e isso me dá muita raiva porque este final de semana ele comprou um tênis de R$ 190,00 até aí tudo, daí me perguntou como eu andava de calçado, respondi que o meu tênis tinha algum furo, pois quando chove fica todo molhado por dentro. Então ele falou que veria com a minha madrasta algum lugar onde pudesse consertar o meu "baleado" par de tênis sendo que quando preciso de um, tem que ser de cem reais pra baixo. O meu celular foi a mesma coisa, o outro aparelho que tinha já estava ultrapassadissimo e começou a dar problemas, foi uma novela, mas meu pai me deu R$ 100,00 e como eu tinha crediário numa loja peguei um aparelho melhor parcelando em algumas vezes.

Prometi a mim mesmo que conseguiria um emprego mesmo que meu pai me expulsasse de casa, pois para trabalhar teria que cancelar a faculdade coisa que ele é contra porque ele me impôs este curso. A única coisa que posso dizer é que estou "por aqui", não aguento mais, e acho que vou voltar a noitinha pra casa.

De meio dia quando o laboratório de informática fechar irei à biblioteca olhar nos classificados do jornal se encontro alguma coisa, também pretendo imprimir alguns currículos e ver no que dá. Do jeito que tá não dá mais.

Meu pai não percebe as minhas dificuldades, as minhas limitações, coisas que outras pessoas percebem e agora preciso fazer uma tomografia computadorizada e foi um parto para conseguir que ele autorizasse, a minha madrasta precisou pedir pra ele e hoje de manhã esqueci de pedir a carteirinha do plano de saúde. Confesso que tenho até medo de pedir as coisas pra ele, porque sempre reclama, até parece que não tem condições.

Enfim é isso. Esta semana terei uma prova dificílima e não sei se vou conseguir passar na cadeira de Audiologia Clínica, a minha situação é bem delicada já que devido a todos os problemas que me atormentam não encontro disposição e nem tenho cabeça para estudar. Será que milagres existem?

sábado, 19 de junho de 2010

Sonhei Com o Meu Amigo

Todas as noites me questiono a respeito de várias coisas, inclusive sobre a existência de Deus e o que acontece quando morremos. É difícil saber se tudo acaba quando partimos ou se tudo continua como dizem os espíritas em um outro plano. Dediquei vários posts para comentar a respeito da tristeza que sinto por ter perdido uma pessoa muito importante, não só pra mim, mas como para a sua família.

E quando durmo sempre peço que Deus dê "um sinal" para mim. Tudo o que mais quero saber é se a vida continua e talvez ficasse mais tranqüilo se soubesse que as pessoas próximas a mim estivessem vivas, não só nos meus pensamentos, no meu coração e sim num outro plano.

Ultimamente ando descrente a respeito de Deus, não sei se estou virando ateu, o fato é que eu quero acreditar que exista um ser superior que coordena tudo e é responsável pela existência do mundo.

Penso muito neste meu amigo que partiu precocemente e como sempre digo a dor passa e a saudade fica e com o tempo talvez comece a aceitar e assimilar isto tudo.

Esta noite sonhei com ele, era algo tão real. Sua esposa, seus filhos, meu pai, minha madrasta e não lembro se tinha mais alguém neste sonho, o fato é que "o Campeão" apareceu para nós trazendo aquela alegria de sempre e no momento que sua esposa o viu, lágrimas começaram a escorrer sobre seu rosto e os dois se abraçaram emocionando a todos que estavam presentes. Pelo que pude perceber ele estava muitíssimo bem e ficou um tempo conosco e logo disse que precisava ir. Uma coisa que me chamou atenção foi o fato de ele se referir ao um plano, não sei se era espiritual ou físico e logo mais acordei me sentindo muito bem.

Fazia bastante tempo que não sonhava e este sonho pareceu real e quando olho para minha cama vejo o lençol todo revirado, sendo que não me mexo muito durante a noite.

Fiquei feliz por ter tido este sonho e espero sonhar mais vezes com o "tio do meu coração". Quero acreditar que o irreal torne-se real, que o abstrato um dia torne-se concreto.

Não sei o que nos espera depois que morremos, quem sabe saberemos depois ou não. O fato é que eu não acredito, mas quero acreditar.

Este assunto é tão controverso e tão polêmico. Já li várias reportagens impressionantes das revistas ISTO É e Superinteressante que pretendo comentar nos próximos posts.

Agora vou fazer os meus trabalhos pra faculdade e tentar "me puxar".

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Vício Necessário!

Estou levemente resfriado e não sei como estou produzindo este post, mas acho que tenho uma explicação: o blog. Sim. Este diário virtual se tornou um vício necessário para mim e digamos também que funciona como uma terapia porque escrevo e desabafo sobre os problemas que me afligem. Como sempre escrevo, há momentos que não me encontro inspirado e gostando de escrever como eu gosto, fico frustrado, mas não me martirizo por isso.

De manhã acordei as 06h40min coloquei o lixo para fora e botei o meu celular para despertar as 08h30min pra poder olhar o jogo da Alemanha com o meu pai. Assisti o primeiro tempo e depois me arrumei para ir pra faculdade, meu pai disse para comer um pouco de feijão que havia feito ontem à noite e comi.

Fui pra parada esperar o ônibus e a pior coisa é quando demora a vir um sendo que de manhã cedo um vem atrás do outro. Neste meio tempo fico escutando rádio com os fones nos ouvidos e o volume controlado para não prejudicar a minha audição. Começo a ficar com raiva por que vou trocando de estação e não tem nenhuma música que eu goste e de repente me deparo ouvindo Luan Santana. Peguei e desliguei o rádio antes que ficasse com uma música "chicle" aquela que não sai da cabeça. Sou eclético quanto à música, mas definitivamente este cantor não faz o meu estilo.

O ônibus me deixa no centro e fico no aguardo de outro para ir até a faculdade e na parada olho pára um pilar que tem a foto de um roqueiro famoso que infelizmente não está mais entre nós que tem a seguinte frase: Raul Seixas para presidente! Pensei comigo, que foi o retardado que fez isso, mas mesmo assim me "rachei" rindo.

Peguei meu ônibus e segui meu trajeto e toda vez que faço o mesmo percurso até a universidade passo na frente do cemitério onde está sepultado o meu grande amigo e costumo cumprimentá-lo em pensamento. Sei que isso possa parecer coisa de louco, mas sempre faço isso. A dor da perda diminui e a saudade fica.

Cheguei no Campus II, ia entrando na sala quando percebi que a coordenadora do curso de Fonoaudiologia estava lá, tratei de dar meia volta e fiquei esperando o professor de Audiologia Clínica chegar para dar a aula.

Neste meio tempo que fiquei aguardando no corredor, passaram algumas colegas que me cumprimentaram e logo em seguida apareceu uma professora pela qual sempre nutri um sentimento de insegurança venho me dar um abraço, a cumprimentei gentilmente e depois pegou o seu elevador e foi embora.

A aula de audio começou, entreguei o trabalho que o professor havia solicitado para fazer e depois vieram às duas colegas que faltavam e aí o professor disse que iria dar mais um trabalho e que o mesmo deveria ser enviado no "virtuale" (canal de ensino a distância) porque sexta-feira que vem terá o jogo do Brasil e o país irá parar pra olhar a partida. Dito isso e esclarecendo as nossas dúvidas fomos liberados.

Fui para a biblioteca, acessei os meus e-mails e o blog. Tentei fazer uma postagem, mas não tinha a mínima idéia do que iria escrever e agora à noite estou escrevendo posso dizer que nos últimos dias tem sido assim.

Acho que vou parar por aqui, pois estou parecendo um personagem que tinha (não sei se tem ainda) na "Praça é Nossa" o "Explicadinho", pois descrevo tudo nos seus mínimos detalhes.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Estou Anestesiado!



Normalmente quando escrevo os meus textos ou os meus posts sempre deixo para colocar o título no final, mas esta palavra anestesia faz sentido para mim porque não sinto nada e sim um vazio enorme, porque terei uma prova semana que vem e não estou nem um pouco preocupado se reprovar na cadeira de Audiologia Clínica, porque tive que fazer um "trabalhinho" explicando o funcionamento da orelha externa e deixei para a última hora como sempre e o ultimo, porque tenho um trabalho de Reabilitação Vocal para outra semana.

Estes "porquês" são normais para mim, pois soam como indagações e justificativas.

Preciso me preocupar e, no entanto não consigo, estou anestesiado e alienado de qualquer emoção, mas quando penso no meu pai, sei que devo dar uma resposta a ele pelo simples fato de pagar a minha faculdade então começo a preocupar-me em não reprovar, ou se não faço uma "maquiagem" nas minhas notas e aí fico livre de qualquer confusão.

Meu pai é uma pessoa rígida e se soubesse os "meus podres" talvez nem falasse mais comigo, mas se tomo algumas atitudes é por causa da sua reação que me gera apreensão. Às vezes sou obrigado a mentir para evitar um conflito, mas aconselho para as pessoas nunca esconderem a verdade e serem transparentes com os seus pais e seus familiares.

Ao mesmo tempo em que meu pai é inflexível, posso dizer que também é uma pessoa legal, guerreira que lutou bastante nesta vida para conseguir vencer e isso faz com que me orgulhe de ser seu filho, porém o único problema é que ele não me compreende e não percebe as minhas dificuldades embora que eu ache que perceba alguns problemas que me rondam.

Terei mais três aulas para cada disciplina do curso, estou nos finalmentes, mas me encontro "sem emoção alguma" este vazio é característico para quem lida com distimia/depressão. É complicado! Sempre esses altos e baixos que seguidamente menciono.

Só para vocês terem uma idéia, hoje acordei levemente resfriado com um desconforto na garganta, tomei meu café da manhã e fui para a rua encarar mais um dia, caminhando a pé até o centro, passei num hipermercado e deixei meu currículo lá, pois segundo minha madrasta, estão contratando gente para fazer divulgação de cartão de crédito. Vamos ver no que vai dar.

Depois me dirigi até o Campus I e fiquei nos computadores boa parte do tempo e logo mais fui para a biblioteca ler os jornais em busca de um emprego e não encontrei nada. Volto para o laboratório de informática e fico lá até as 16h00min e em seguida pego o meu rumo de volta para casa.

Sei que é chato talvez ficar descrevendo detalhadamente o que faço, mas essa é a minha vida, é a minha rotina. Chegando em casa largo minha pasta na mesa da cozinha, subo as escadas e dou um "oi" para o meu pai e desço para comer algo. Me sinto todo "molenga" devido ao resfriado que peguei não sei como. Terminada a refeição, lavo a louça parecendo que estou fazendo um sacrifício. Ligo o rádio e começo a escutar a minha "terapia" diária, o "Pretinho Básico" e em seguida me volto para o trabalho que tenho que fazer para entregar amanhã sobre o funcionamento da orelha externa, onde tenho que explicar um monte de coisas. Comecei a escrever e quando dei por mim, percebi que havia esquecido de acrescentar mais informações e então refiz o trabalho sem vontade.

Agora estou aqui neste computador escrevendo tudo isso e descrevendo detalhadamente como foi o meu dia e hoje de manha e também à tarde acessei o blog como faço sempre e não sabia o que escrever, não tinha inspiração alguma e fiquei com receio de ficar me repetindo e ser cansativo, mas mesmo assim agora escrevo dizendo praticamente as mesmas coisas, porém com algumas palavras diferentes.

Enfim quem sabe as coisas melhorem e tudo comece a se ajeitar e este imenso vazio que carrego dentro de mim dê lugar a alegria e a vontade de viver.

A Novela da Vida Real

A vida de muitas pessoas é como se fosse uma novela devido a todos os transtornos e sofrimentos que têm que passar para encontrar a felicidade. Dramas, comédias, suspense, romance você que faz o gênero de seu folhetim e a minha sinopse, ou seja, a minha história está relacionada com os dois primeiros gêneros.

Seguidamente passo por situações difíceis de encarar e de vez em quando acontecem situações engraçadas nas quais até me divirto um pouco.

Minha vida é uma novela. Quem nunca usou esta frase? Está claro que muitos são afortunados e conseguem um "lugar ao sol" e outros têm que escalar montanhas e penhascos para chegar ao cume.

Sinto-me no monte Everest escalando e escalando, tentando chegar até a ponta sendo que quando olho para baixo percebo que já estou numa altura elevada e quando olho para cima vejo que tenho muito para escalar.

No momento a minha novela está com os capítulos atrasados, mas às vezes estão bem adiantados. Agora minha vida está num suspense, pois estou procurando emprego e não é fácil achar. Estou na ânsia de ser chamado pelo IBGE.

Posso dizer também que vivo de dramas e no momento estou passando por um que é aceitar as coisas como elas são e outro que no momento não sei o que pensar se é crer ou não em Deus. Ando muito cético e acho que de evangélico eu vire um ateu. Religião é algo muito difícil e algumas pessoas não aceitam o que as outras pensam. Fui ensinado na minha religião de que existe um Deus que criou tudo, li a bíblia várias vezes e rezava bastante, mas agora não consigo acreditar em mais nada. Infelizmente.

Continuarei escrevendo e atuando nesta novela da vida real a onde eu sou o autor e o personagem, aonde vivo os meus dramas, comédias e suspenses esperando um dia que sabe poder viver um romance. Continuarei escalando montanhas até chegar ao cume, não posso esmorecer, preciso ser forte.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Câncer, uma doença maldita!

Não tenho nada de novo para contar a meu respeito porque tudo está na mesma como sempre e vou vendo o que posso fazer para mudar a minha vida e melhorar como pessoa. No entanto não vou dizer que estou muito preocupado e sim chateado porque quando houver esperanças tenho que acreditar que tudo dará certo.

A minha posição sobre Deus é meio complexa por que eu não acredito, mas quero acreditar. É meio paradoxo isso, mas é assim que me encontro e se penso assim é porque já rezei tanto ainda mais para o meu amigo que tinha "gota", acabou pegando uma infecção, teve sua situação agravada e venho a óbito. Nestas idas e vindas dele no hospital orei muito pedindo a Deus e a todos os santos pela sua saúde, mas foi em vão.

Minha mãe me ligou, está bem abalada, pois o meu tio está com câncer e parece que a doença está no inicio, mas ele foi obrigado a submeter-se a cirurgia para tirar parte do fígado. Ela é católica e reza bastante, é o que mais tem feito ultimamente. Minha tia ligou para ela tranqüilizando dizendo que está tudo bem e que meu tio em breve começará na quimioterapia.

Apesar de não conviver com o meu tio, fico chateado, pois minha mãe tem só ele e mais outro irmão que é deficiente auditivo. A família é pequena.

Será que Deus existe? Para poder ajudá-lo. Será?

A única coisa que posso dizer é que o câncer é uma doença maldita e dizem que todos nós temos, sendo que a única coisa que não acontece é se manifestar.

O tio da minha madrasta morreu desta doença maldita, não sei que adjetivos posso empregar para me referir a esta enfermidade.

Não me conformo de ver pessoas boas, que levam uma vida correta ter um problema como esse.

Hoje nem iria escrever por cauda da minha falta de inspiração, mas quis dividir este sentimento de revolta com quem lê este blog.

Então voltando a respeito da minha mãe disse para ela rezar e pensar em coisas boas e pedi que falasse com a minha irmã para ir ao centro espírita levar o nome do meu tio para que façam uma corrente e rezem por ele. Da minha parte não sei se rezo porque estou me tornando uma pessoa cética infelizmente e a única coisa que posso fazer é torcer que o irmão que minha mãe tanto presa se cure e fique bom logo. É isso aí!

Abraços!

Definitivamente Me Tornei Uma Pessoa Irresponsável

Sigo na luta incessante em busca de um trabalho, depois da aula de reabilitação vocal fui para a biblioteca ler jornal e dar uma olhada nos classificados para ver se não achava alguma coisa e não encontrei nada. Depois subi do térreo para o quarto andar e vi que todos os computadores estavam ocupados, nem todos, tinha um no meio dos outros só que eu prefiro me sentar num canto porque parece que estão vendo o que estou fazendo.

Me dirigi para o outro prédio e as salas estavam lotadas e mesmo assim vi um computador disponível e sentei repetindo a rotina de olhar os e-mails, acessar o blog e ver as notícias.

Estou com três trabalhos para fazer e não comecei nenhum sendo que quarta feira terei que apresentar sobre "alterações cérebro vasculares" e na sexta terei que entregar um texto explicando o funcionamento da orelha, explicando a anatomia, a fisiologia e a parte física do som e o outro terei mais tempo para elaborar que é um resumo que terei que fazer a mão com as técnicas terapêuticas de voz.

No momento me sinto irresponsável porque sempre deixo tudo para a última hora quando estou com a "corda" no pescoço. Por mais que saiba que esta atitude não é das mais corretas, continuo do mesmo jeito e para conseguir mudar teria que fazer um esforço que para mim seria sobre o humano porque tem toda aquela história de eu não gostar do curso e fazer só pra satisfazer o meu pai.

Reagi é muito difícil quando nos acomodamos na vida e não conseguimos encontrar forças para mudar de comportamento e atitude. Gostaria de ser diferente desta pessoa cheia de conflitos que sou atualmente.

E mesmo tendo uma série de defeitos como esquecer de fazer o que me pedem ter dificuldade de prestar atenção, ser tímido (não sei se é defeito, para alguns é qualidade) e desorganizado com as minhas coisas posso dizer que também vejo as minhas qualidades como, por exemplo: ser amigo, companheiro, fazer as pessoas rir, fazer imitações, cantar e ser uma pessoa digna.

Então ao mesmo tempo em que tenho estas falhas, vou tentando trabalhar com o que tenho de melhor em mim e você caro leitor também se deve fazer a pergunta: o que eu tenho de bom? Alguns terão facilidades e outros dificuldades para responder esta pergunta e digo que para aqueles que sofrem de distimia/depressão é mais fácil seus defeitos do que suas qualidades.

Temos que enfrentar este dragão e vencê-lo e quem pode contar com ajuda melhor ainda, mas uma coisa que muitos falam é que você só pode se ajudar, contudo enfatizo que há uma série de fatores que ajudam e muito, citarei dois que é você ter uma relação boa com os seus familiares e estes compreenderem que mais do que nunca você precisa deles e uma terapia combinada com remédios sendo que em alguns casos não é necessário o uso de medicamentos.

Vamos ver como se dará esta semana, tenho que me puxar porque estou no fim do semestre me restando apenas mais três aulas paras as duas disciplinas que estou cursando terminar e a situação está bem delicada. Não sei conseguirei aprovar e isto me deixa de "cabelo em pé". Fui...

Abraços!

segunda-feira, 14 de junho de 2010

The Secret - O Segredo: Você Acredita?


Sempre gostei de ler livros de auto-ajuda, principalmente os de Brian Weeis, um psiquiatra norte americano muito famoso que lida com a terapia de regressão, mas entre todos os livros que li posso citar um: A lei universal da atração.

Comecei a folhear as paginas deste livro na esperança de descobrir algo que pudessem amenizar o vazio e a tristeza que carrego dentro de mim e posso dizer que no inicio tentei imaginar coisas boas apagando a negatividade da minha mente, mas não consegui.

E talvez o fator preponderante seja que para que a positividade invadisse o meu ser e as coisas boas começassem a acontecer eu teria que estar bem emocionalmente e isso não foi possível porque tudo depende do momento, ou seja, quando estou feliz e quando estou triste.

É normal que quando uma pessoa encontra-se num estado de profunda tristeza, amargura onde nada dá certo ache as respostas naquilo que lê, mais precisamente nestes livros.

Citarei o exemplo da apresentadora Hebe Camargo que é uma pessoa de bem com a vida, gosta de viver e sempre está bem humorada e se não me engano ela falou que o segredo a ajudou a curar-se do câncer no peritônio.

Para quem não se lembra a Hebe realizou um procedimento cirúrgico, não sei o que era, mas num dos exames realizados descobriram esta doença que causou comoção nos fãs e nas pessoas que admiram o seu trabalho. Ela começou a se tratar, realizando quimioterapia e o tratamento necessário. Depois de alguns meses não precisou mais dar prosseguimento ao tratamento e esta cura ela mesmo diz que se deve ao fato de sentir-se feliz, estar de bem consigo mesma e principalmente acreditar que conseguiria vencer a doença.

Não tenho opinião formada a respeito do “segredo”, pois para dar certo você tem que estar feliz e estando triste tudo fica difícil.

Por mais que eu queira namorar, casar, ter filhos e uma vida estável acho tudo isso impossível e difícil de realizar porque não consigo me imaginar sendo feliz porque não sei nem o que é isso.

Tudo depende do estado de espírito de cada um digo isso por mim, se eu olhar um vídeo ou ler algo relacionado ao segredo com certeza me sentirei melhor, mas tudo será momento visto que me deprimirei novamente não conseguindo manter o mesmo sentimento e para que tudo dê certo eu tenho que estar de bem comigo mesmo.

Se isso é verdade ou bobagem não sei, talvez um dia se me curar desta distimia eu possa por em prática “o segredo” e ver se funciona mesmo e quem sabe não me caso com a mulher dos meus sonhos, constituo uma família e faça o que realmente goste.

E você acredita no “Segredo”?

Abraços!

Superando Adversidades!

Sempre admirei as pessoas que apesar de terem algumas limitações conseguem se superar. Digo isso pelo que vi hoje do meu tio, irmão da minha mãe. Ele quando criança ficou doente e acabou desenvolvendo uma grave perda auditiva e com isso ele apenas se comunica através de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) e leitura labial. Hoje ele visitou a minha mãe e eu como faço Fonoaudiologia tentei me comunicar com ele através da fala, ou seja, precisei articular bem para que pudesse me compreender. Confesso que não tive muito sucesso no inicio, mas consegui interagir com ele. Dá pra dizer que se existe um Deus (sempre falarei e escreverei assim porque não tenho certeza) mesmo, ele deixou meu tio surdo, mas em compensação deu uma inteligência impressionante para ele.

Apesar de ser surdo, fez curso por correspondência e aprendeu a montar rádio e hoje entende bastante de computadores, sendo que é autodidata, aprendendo a lidar com essas maquinas complexas sozinho e sem ajuda de ninguém.

Fiquei impressionado com a sua inteligência e até brinquei com a minha mãe de não ter puxado pela parte de sua família neste quesito, porque meu avô era marceneiro e fazia violões e era um "crânio" em matemática. Meu outro tio também é bom em números tanto que trabalhou vários anos num banco e hoje trabalha numa fabrica de calçados bem conceituada aqui no Rio Grande do Sul cuidando da parte de ciências contábeis.

Observo muitas pessoas que tem suas limitações, mas que conseguem se superar e levam uma vida feliz. Porque escrevi isso? Bom, sou uma pessoa saudável, não tenho nenhuma limitação física, mas a minha doença vem do coração, sou deprimido, me cobro pra caramba, sou solitário, nunca namorei e já me apaixonei várias vezes.

A mudança de atitude é algo difícil porque se estou mais ou menos equilibrado emocionalmente consigo enfrentar algumas batalhas, agora se estou numa tristeza profunda tudo fica bem mais complicado, ainda mais quando você não tem uma vida social.

Penso que as pessoas que tem depressão sabem e valorizam muito bem o que têm, mas, no entanto são infelizes e não devem se culpar por serem assim e isso acontece na maioria das vezes.

O que mais me irrita é quando falam: "agradeça o que você tem, pois o sicrano não tem nada" essas frases que alguns de nossos conhecidos costumam empregar quando nos queixamos desta agonia que é a depressão.

O meu tio, esse que é surdo mora sozinho em Porto Alegre e poucas vezes dá "sinal de vida" e não temos como saber se está bem ou não, mas pelo menos ele vai na igreja dele, tem seus amigos e viaja bastante. Menos mal.

Como faço Fonoaudiologia, vejo costumeiramente vários vídeos de pessoas deficientes e fico bastante comovido porque representam o exemplo de força de vontade, garra e determinação, fatores determinantes na luta contra os obstáculos que a vida os impõe e isso faz com que se tornem exemplos para todos e aqueles que até se queixam de uma coisa ou outra.


Sempre digo que se pudesse escolher entre ser feliz e não ter distimia, escolheria a primeira opção lógico, pois quero dizer que não podemos escolher o nosso estado emocional e para as pessoas depressivas, o que desencadeia esse distúrbio é o preconceito (na minha opinião), falta de compreensão e amor. É preciso respeitar as diferenças de cada um e isso dificilmente acontece.

Pra concluir quero dizer: não pensem vocês que são felizes e não sofrem de distúrbios emocionais (felizmente) que os depressivos não sabem valorizar o que tem. Sabem sim! No entanto não tem a felicidade, coisa que muitas pessoas limitadas têm porque são compreendidas e amadas do jeito que são e isso dá força para que enfrentem os seus problemas e sirvam de exemplo para nós.

Abraços!

sábado, 12 de junho de 2010

A Morte é algo difícil de aceitar

Quando perdemos alguém que gostamos muito normalmente muitas dúvidas pairam sobre nossas cabeças e algumas delas são: por quê; será que Deus existe; existe vida eterna. Essas e outras indagações se perpetuam e não conseguimos achar respostas. Sou evangélico não-praticante, sempre acreditei em Deus e acho que não preciso ir na igreja para "vê-lo", pois sendo uma força maior, pode estar em tudo que é lugar.

Sei que este assunto é polêmico e cada um tem suas idéias e convicções a respeito, mas, no entanto encontro-me descrente de tudo. Depois de três semanas que o meu "Amigo" partiu posso dizer que estou melhor e não me constranjo em dizer que ando recorrendo ao espiritismo, sei lá, é complicado. Quero acreditar e não consigo fora que também é complicado de mais lidar com o sentimento da perda.

Estou escrevendo sobre isso pelo simples fato de uma pessoa conhecida do meu pai e bem conceituada aqui no estado ter sido encontrada morta na Free-Way depois de alguns dias dado como desaparecida.

Meu pai disse que essa pessoa não tinha inimizades por ser legal e alguém que conversava e já fazia amizades fácil, fácil, mas é a vida.

Cada pessoa pensa de uma forma e eu gosto deste "choque de idéias" desde que haja o seu mais devido respeito.

Como a onda agora é o espiritismo, olhei parte do filme do Chico Xavier na internet, não vou entrar no mérito se ele era uma fraude ou não. O fato é que ajudou muitas pessoas e vivia uma vida simples e sem conforto. Escreveu quatrocentos livros e a renda destinou para instituições de caridade abrindo mão de qualquer vintém.

Outro filme que está em fase de produção e retrata o espiritismo é "Nosso Lar" que tem estréia prevista para setembro, mas o trailer já está disponível no youtube para quem quiser dar uma conferida. Sobre este filme posso dizer que é impressionante, sei mais ou menos a história porque li o livro que conta sobre um médico que "desencarna" e vai para o "outro lado" e lá descobre que cometeu alguns erros, fazendo então uma avaliação de tudo que viveu no "plano físico". Não sei se acredito nisso, eu até queria crer que é possível, mas é difícil.

Por isso digo o seguinte não sei o que pensar a respeito e até pareço àquele personagem bíblico, o Tomé que só acreditava na quilo que era concreto, ou seja, precisava ver para crer e da mesma forma sou assim. Preciso de provas e acho que nunca as terei. Infelizmente.

Este assunto de fato é polêmico e gera algumas controvérsias. Comecei a pesquisar sobre cartas psicografadas para ver a veracidade das mesmas e em alguns casos o médium que as escreveu não tinha nenhum conhecimento de alguns nomes e dados que foram descritos nas mesmas e muitas vezes a assinatura é igual a do ente falecido.

Sou uma pessoa aberta a vários assuntos, gosto de ler livros especialmente os de auto-ajuda que ao invés de ajudar-me a viver melhor ajuda os escritores a enriquecerem bastante.

Li outro livro chamado: Por Trás do Véu de Ísis de Marcel Souto Maior, o mesmo que escreveu a biografia de Chico Xavier e posso dizer que não consegui tirar conclusões a respeito embora que em alguns casos fossem verdades. O autor recebe uma ligação de um suposto médium falando a respeito de uma senhora mais conhecida como Tia Lourinha (não me lembro bem agora) e ele fica intrigado porque não se lembra de nenhuma mulher com esse nome, então recorre a alguns parentes que o informam que a conhecia.

Pra não alongar muito a história o autor resolve ir atrás e estudar alguns médiuns e descobre algumas fraudes e em alguns casos como o de Chico Xavier e de uma sensitiva que não tem o seu nome citado no livro, mas conseguiam se comunicar com alguém já falecido através da psicografia.

Enfim espero não estar blasfemando, mas como todo o ser humano, tenho as minhas dúvidas ainda mais quando sou obrigado a "aceitar" este fenômeno que um dia todos nós teremos que passar sem saber se teremos algum destino.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Blog de Cara Nova

Depois que sai da aula e fui para a biblioteca acessei o blog e resolvi explorar estes novos recursos como modelo e designer, embora gostasse do modelo antigo de template não estava satisfeito com a largura, pois se eu postasse algum vídeo a tela "cortaria" parte da imagem fora. Vamos ver preciso me acostumar ainda e se não gostar volto para o modelo antigo. E vocês o que acharam? Sugestões e criticas sempre serão bem vindas.

Abraços!

O Desânimo Aparece Repentinamente

Acordei pelas 06h30min e coloquei o lixo na rua para que os lixeiros recolhessem, sai no frio danado da manhã e louco para retornar para cama. Menos mal que minha aula começa 11h30min hoje, então volto pro "berço" pego o celular e coloco para despertar as 08h40min. De baixo do edredom me protegendo do frio que sensação boa.

O celular "desperta", acordo e vejo que o dia está lindo, desço até a cozinha experimento o pão que havia feito de noite na panificadora e dou atenção para o Mitzie, nosso gato que é uma mistura de siamês com persa, só falta falar porque ler e escrever já sabe (risos)

Posso dizer que esse bichano é o meu melhor amigo porque quando estou triste fica comigo, me ouve e dá carinho. Sou muito apegado a ele.

Logo mais, de bom humor escolho o que vestir e vou para a parada esperar o ônibus, escutando o meu rádio no celular. Até aí tudo bem, mas quando chego na faculdade começo a sentir um desânimo, sei lá.

Entrei na sala e a minha coordenadora do curso estava lá com algumas gurias da fonoaudiologia e me indagou se eu cancelei a disciplina de fonoaudiologia e linguagem II, disse que sim e ela falou que não constava no sistema o cancelamento. Prometi então que veria isso.

Já desanimado e sozinho na sala, chega a minha colega e pergunto pra ela o que teve na aula passada e depois sem assunto para conversar me dirijo até a janela e fico observando os homens trabalhando lá embaixo no estacionamento, colocando terra no caminhão e olho os carros passarem pela RS-239.

Meu professor chega e começa a me dar uma espécie de aula particular explicando a parte da física no funcionamento do ouvido externo e pede para explique o funcionamento do mesmo considerando a parte física, anatômica e fisiológica. Olho para o relógio, 11h49min, guardo o material e pergunto para o Karim (professor) só pra confirmar o que deveria fazer e se estava liberado para ir embora, ele até estranhou porque tinha mais uma meia hora e mesmo assim fui liberado.

Estou na biblioteca agora, como sempre, olhando os e-mails, acessando o blog e navegando em alguns sites depois lerei o jornal de hoje para ver se tem alguma oportunidade de trabalho, também pretendo ver quanto custa para fazer uma tomografia computadorizada, pois precisarei fazer este exame que pode ajudar a elucidar alguma coisa. Fui...

Abraços!

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Tédio Com Um 'T' Bem Grande Pra Voce - Legião Urbana HD


Esta música reflete o meu momento.

Tédio Com Um 'T' Bem Grande Pra Voce - Legião Urbana
Composição: Renato Russo

Moramos na cidade, também o presidente
E todos vão fingindo viver decentemente
Só que eu não pretendo ser tão decadente não

Tédio com um T bem grande pra você

Andar a pé na chuva, às vezes eu me amarro
Não tenho gasolina, também não tenho carro
Também não tenho nada de interessante pra fazer

Tédio com um T bem grande pra você

Se eu não faço nada, não fico satisfeito
Eu durmo o dia inteiro e aí não é direito
Porque quando escurece, só estou a fim de aprontar

Tédio com um T bem grande pra você.

Que tédio, que marasmo!

Não sei o que fazer, estou entediado e sem saber o que fazer. Como é ruim ser desocupado e não ter o que fazer. Se ao menos meu pai não tivesse resolvido fechar a loja, esperando que o negócio desse retorno logo, eu ao menos poderia estar lá atendendo as pessoas, conversando com o pessoal das lojas ao lado.

Todos os dias é a mesma coisa a minha vida é uma rotina, saio cedo de casa, vou pra faculdade, faço um pouco de tempo ficando lá, depois vou pra casa a noite e durmo. No dia seguinte tudo se repete, é uma monotonia.

Ao meio dia fui até a biblioteca ler os jornais do dia e aproveitei pra ver se não tinha nada nos classificados e vi um anúncio para fazer panfletagem, gravei o número no celular e acho que vou entrar em contato com a pessoa. Não é nada, mas posso garantir uns trocados, já que os R$ 50,00 que meu pai dá vai tudo para as passagens visto que quando estou nas melhores condições vou a pé até o centro economizando R$ 2,20. Ao invés de pegar quatro ou três ônibus pego dois pra ir para a faculdade e depois volto caminhando.

Há pouco tempo estava olhando para a tela do computador, não sabia mais o que fazer, que site acessar, aliás, pesquisei no Google lugares em que poderia cadastrar meu currículo então resolvi escrever mais algumas linhas aqui no blog.

Nos últimos meses não estava satisfeito na loja do meu pai porque o movimento estava fraco e ele não botou capital de giro e sim só mercadoria e com isso minha madrasta e eu tivemos que fazer alguns milagres para manter a loja em funcionamento e não conseguimos executar algumas de nossas idéias como colocar algumas mesinhas e investir forte no lanche e nos refrigerantes, pois tínhamos bastante vinhos que acabaram encalhando nas prateleiras.

Procuro enfatizar e dizer para o meu pai que ainda bem que conseguimos vender os equipamentos e alugar a loja, pois creio que seria difícil isso acontecer.

E agora o que faço? Talvez dê uma caminhada até o shopping e depois irei para casa escutando som no celular, aliás, o meu aparelho só serve para me acordar de manhã cedo, serve como calendário, serve como gravador de voz que eu uso para me gravar cantando e para que me localizem caso não saibam o meu paradeiro é só pra isso que serve, ah também serve para jogar joguinhos e ultimamente estou viciado no de golfe.

Até pra quem não está inspirado, até que estou escrevendo e até tive uma idéia, sempre imaginei a vida que queria ter e passei isso para o papel fazendo uma história, cheguei a escrever umas vinte e poucas páginas e parei. Agora preciso ler tudo de novo e pegar o gancho. Não sei se vou fazer isso. Sou de lua e até me permito fazer o uso de uma frase que dá título a um blog: sou louco, e daí.

O brabo é que quando me animo para fazer algo no dia seguinte chega a hora e me encontro completamente desanimado e isso com o perdão da palavra "é um saco"

Quero continuar escrevendo, me aliviando deste marasmo, deste tédio só que as palavras e as idéias estão acabando, então melhor eu ir embora. Fui

Abraços!

Frio e Pouca Inspiração Para Escrever

Acordei hoje sem coragem de sair da cama, estava debaixo do edredom não querendo ter que enfrentar o frio da manhã mais precisamente do inverno. Fico mais uns minutinhos na cama me encorajando, vendo que não tinha outro jeito levanto-me e abro o roupeiro para escolher que roupa colocar e nada, não sei o que vestir até que escolho a roupa e me arrumo para começar mais um dia.

Esta madrugada foi a mais fria em Porto Alegre chegando a marcar 5,6ºC e como se sabe o Rio Grande do Sul é a região mais fria do Brasil.

Saí de casa e fui caminhando a pé até o centro vendo os carros passarem por mim e agora estou no Campus I para passar mais um dia de "matação". Não sei mais o que fazer e daqui a pouco vai me faltar palavras para escrever e no momento não pensei no título, mas não preciso me preocupar com isso, pois como os professores de português falam, o titulo vem no final do texto.

Vou seguir a minha luta em busca de um emprego enquanto que o IBGE não me chama, vou "varrer" os sites atrás de oportunidades.

É isso aí! Não farei textos grandes por que não estou muito a fim de escrever e quando isso acontece fico com dificuldades para desenvolver o assunto.

Abraços!

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Seria bom se todos os professores fossem assim!

Final de tarde, acabo de sair da aula de Audiologia Clínica, mais uma aula que não entendi nada apesar da voa vontade da professora. Posso dizer que sou sortudo, pois se fosse com o outro professor que se transferiu para Florianópolis pra trabalhar como perito criminal, com certeza teria mais dificuldades do que estou tendo, apesar de a minha situação não ser nada boa.

Não lembro nada do que vi em aula hoje, mas a melhor parte foi quando apresentamos alguns casos que podem provocar surdez e falei brincando que se eu gaguejasse começaria a falar cantando, pois geralmente quando tenho que apresentar um trabalho não importa se forem para uma, duas ou mais pessoas, eu sempre fico nervoso.

Minha professora tratou de tranqüilizar tanto a minha colega e eu e disse que não se importava se começássemos a falar besteira porque isso faz parte do aprendizado.

Apresentei sobre alterações cérebro vasculares, falei algumas frases decoradas, mas acho que consegui desenvolver o assunto. Quase não gaguejei.

Depois iniciamos um bom papo a respeito das disciplinas e a minha colega falou que cancelou uma de Surdez e Linguagem por não se identificar com a professora e aproveitei a deixa e falei que fizera o mesmo em relação à Fonoaudiologia e Linguagem II porque enfrentei dificuldades e falta de compreensão por parte de uma das professoras, sendo que não conseguia entender direito a matéria e a minha colega da dupla não havia me ajudado a elaborar a anamnese e o procedimento para aplicar nos pacientes da clínica de fonoaudiologia e isso me deixou muito indignado porque em vez de encontrar auxilio na professora para que conseguisse melhorar aconteceu justamente o contrário e a história vocês já sabem cancelei a disciplina.

Então a professora Ana começou a conversar e a explicar os tipos de professores e nos aconselhar a persistir sempre, desistir jamais. O fato é que eu deveria ter enfrentado a situação, mas na época estava saturado nem podia ver aquela professora na minha frente que provavelmente esganaria e vocês veriam a seguinte notícia no Jornal Nacional: Aluno transtornado esgana professora na universidade.

Se fiz a melhor escolha, não sei, pode ser que sim ou pode ser que não, mas posso dizer que depois que larguei a disciplina de Fonoaudiologia e Linguagem II é como se tivesse tirado parte do peso do mundo que carrego nas costas.

Como seria bom para aqueles que estudam se tivessem um professor que além de ensinar a matéria sentasse com o aluno e conversasse a respeito de suas dificuldades tentando achar uma solução.

Abraços!