sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Última Postagem de 2010

Esta é a minha postagem, mas calma que eu não vou encerrar com o blog (hehehehe). Dois mil e onze estarei de volta com os mesmos sonhos e limitações, aliás, todos nós temos limitações.

Sempre falo que lutamos diariamente contra nós mesmos, esta luta necessária a onde devemos vencer os nossos "fantasmas" e não nos deixar ser dominados por eles.

Quero ser a pessoa mais otimista, pensando que este ano que está prestes a começar seja um ano repleto de alegrias, realizações e mudanças no tange ao aspecto positivo.
Cansei de ser pessimista, muitos podem dizer que sou um sonhador, mas sonhar e acreditar é mesmo preço. 

Estou tentando mudar é isso já válido como dizia o poeta Renato Russo: "mudar a gente ajuda pra caramba". Por isso quero ser a pessoa mais feliz e alegre, quero ter metas, ultrapassar obstáculos e vencer as minhas limitações.

Descobri que na vida nada é por acaso se nós ficarmos parados esperando que um milagre possa acontecer em nossas vidas. Escrevo por causa das oportunidades que apareceram para mim depois que comecei a trabalhar temporariamente como fiscal de loja e locutor numa loja de roupas.

As pessoas sempre falavam que deveria perseguir os meus sonhos e não ficar parado e é isso que pretendo para 2011. Que Deus me ilumine me coloque no caminho certo.

Sobre Deus posso dizer que este ano cheguei duvidar de sua palavra, mas hoje percebo que o aconteceu de bom comigo neste final de ano foi por sua causa, foi ele que me ajudou.

É claro que há momentos que não acredito em Deus e em outros acredito fervorosamente. É complicado falar a respeito, mas penso que tudo tem uma causa e uma razão, assim como uma ação gera uma reação.

Vou ficando por aqui meus amigos. A todos desejo uma excelente passagem de ano e que 2011 seja repleto alegrias e realizações.

Enfim que venha 2011!!!!!

Boas Festas!!!

Abraços a todos os amigos!

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Retrospectiva de 2010

O ano está acabando e 2011 já está chegando, mas o que será que posso dizer a respeito deste ano que passou? Muitas situações aconteceram, algumas boas e outras ruins.

A loja que tínhamos infelizmente fechou não por falta de vontade minha ou da minha madrasta, mas sim por causa do meu pai que não colocava "capital de giro" e com isso tínhamos que "rebolar" para pagar as contas e colocar mercadoria na loja. Menos mal que conseguimos vender os equipamentos e alugar a sala.

Estou escrevendo aleatoriamente o que estou me lembrando e o que me deixou muito triste foi à perda de uma pessoa muito querida e especial para mim. Ele era como um tio sentava comigo e me animava quando vinha que estava triste, na verdade era assim com todos. Parece mentira que partiu tão cedo. Sempre penso nele com saudade e alegria.

As reprovações da faculdade me perseguiram durante estes dois semestres e não tive como escapar até pelo desprazer e falta de vontade em estudar. E o pior de tudo é que 2011 promete ser um ano bem, mas bem difícil na faculdade. Tomara que consiga reunir estrutura para encarar isso.

Mas nem só coisas ruins aconteceram agora final do ano fui contratado temporariamente para trabalhar numa loja. Comecei como fiscal e depois como locutor. E graças a isso as "portas" se abriram para mim tanto que tenho duas pessoas que querem me contratar como já comentei antes.

Acho que não tenho muito que escrever, mas quero só pensar nas coisas boas, esquecer as ruins. Lembrar do meu amigo que já não está mais aqui e tentar ser feliz porque o "Campeão" (como ele chamava os mais próximos) não iria gostar de me ver triste e até penso para quem acredita ou não, mas acho que ele de alguma forma está me ajudando.

Enfim este foi o meu ano, talvez tenha esquecido de elencar mais alguns fatos, mas por hora estes são os que me marcaram este ano.

Abraço a todos e boas festas!

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Quero um amor de verdade

O amor é um sentimento que costumo comparar como uma flor que todos os dias deve ser regada porque se não vai morrendo aos poucos.
Penso que o amor é a coisa mais bela que existe entre duas pessoas que se gostam, só que ainda não tive o privilégio de namorar e ser correspondido.

Já me apaixonei várias vezes e sempre fiquei calado, nunca manifestando aquilo que sentia por me julgar incapaz e também pela auto-estima que sempre esteve lá embaixo. Posso dizer que hoje há momentos que me olho no espelho e "me acho" o cara mais lindo do mundo e em outros momentos me vejo como um "monstro do espaço". São tudo momentos.

De fato, quero muito suprir a minha carência e me apaixonar, ser correspondido. Quero aprender o que é isso.
Na loja em que trabalhei, só pra citar um exemplo, todo dia ia uma moça que trabalhou lá algum tempo e hoje trabalha em uma loja de artigos religiosos. As vendedoras queriam "empurrar" essa moça pra mim, mas já deixei claro que não sinto nenhum tipo de atração por ela por mais que seja uma pessoa legal e querida, mas não me atrae.

Ontem à noite resolvi entrar num desses chats do "Terra" para "azarar" um pouco, mas desanimei porque na minha cidade não tinha quase nenhuma guria online.
Muitas vezes me pego pensando: será que alguma mulher já se interessou por mim? Sempre faço essa pergunta e me lembro daquele filme "Do que as mulheres gostam?" com o Mel Gibson no qual ele interpreta um personagem que consegue "ler" a mente das mulheres e confesso que às vezes queria ter esse poder de entrar na mente feminina para ver o que as mulheres sentem e pensam ao meu respeito.

Essa preocupação tem sido uma constante na minha vida porque tenho 23 anos, sou novo ainda, mais o tempo passa e não perdoa, por isso que anseio tanto em encontrar alguém.
No momento apenas sonho com o dia em que conheça a mulher dos meus sonhos (perdoem a redundância), alguém que eu possa amar de verdade, alguém que me ame de verdade. Sonhar não é proibido, não é mesmo?

Abraços!

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Quero começar 2011 com o pé direito

Nestes dias que estou recluso em casa, pude sentir novamente aquela sensação desagradável da tristeza e do tédio.

Desde que comecei a trabalhar algumas coisas começaram a mudar na forma como passei a encarar a vida e como já escrevi antes, usando uma frase do Chico Xavier, "o trabalho engrandece a alma" e isso é a mais pura verdade. Escrevo isso por experiência própria.

Tive várias reflexões durante esses dias que gostaria de ter compartilhado, mas chegava no final do dia e já não encontrava disposição para escrever por causa do cansaço de ter que ficar doze horas trabalhando ainda mais em pé.

Engraçado que quando nos sentimos bem e felizes pensamos de uma forma diferente e quando bate a tristeza mudamos completamente a forma de pensar nos tornando pessimistas.

Hoje fui na loja receber o meu pagamento dos dias que trabalhei, o pessoal ficou contente de me ver e eu fiquei feliz de pisar naquele local que durante alguns dias foi o meu refúgio para esquecer dos problemas, da faculdade.

Foi cansativo de mais ter ido trabalhar três semanas a fio sem descanso no final de semana, mas valeu a pena e agora me encontro disponível no mercado tanto para trabalho como para um amor de verdade (quero encontrar alguém e vou achar).

Sobre o trabalho a gerente me falou que irá me chamar por meados de março para fazer locução, fora que tenho mais duas pessoas interessadas em me contratar, uma dona de um supermercado e um rapaz que trabalha com tele-mensagens.

Então não posso reclamar e sim levantar as mãos para o céu e agradecer a Deus pelas oportunidades que ele está colocando em meu caminho, ou seja, as portas estão se abrindo para mim e vão se abrir ainda mais.

Tudo o que mais quero é começar 2011 bem e cheio de perspectivas de que coisas boas aconteçam na minha vida e é isso que desejo não só para mim, mas como também para os amigos que visitam este humilde espaço.

Enfim, espero que as coisas continuem mudando e para melhor pra mim torcendo para que a tristeza não volte como sempre, até porque como sempre costumo dizer: A luta continua e não posso me entregar.

Abraço a todos!

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Tédio e Algumas Novidades

Fiquei muitos dias sem postar algo, até que escrevi o último post sobre a "Erisipela". Antes de acontecer esse problema me encontrava perfeitamente bem e feliz com o trabalho e agora estou em casa de "molho".
Este trabalho que consegui na loja de roupas foi temporário, talvez seja chamado novamente porque os donos e a gerente me conhecem e gostam de mim.

O principal motivo que está me levando a escrever é o abatimento e o tédio. Abatimento porque o trabalho na loja acabou, se bem que não sei ainda o que pode acontecer e o tédio por ter que ficar em casa o dia todo cuidando da perna.

Não é fácil ter que se reacostumar a viver uma rotina. Desde que comecei a trabalhar percebi que havia me tornado outra pessoa, estava mais feliz e radiante e agora que estou em casa parece tudo voltar pra estaca zero.

Sei que não devo fazer tempestade num copo da água porque os "caminhos" começaram a se abrir para mim como, por exemplo: um rapaz que conduzia uma van de tele mensagens me viu fazendo locução e ficou interessado em me contratar. Tem também uma dona de mercado aqui do meu bairro que também está interessada nos meus serviços.

É não tenho do que reclamar ainda mais que a gerente da loja me disse que uma das vendedoras está afim de mim, só não me deu o nome, mas acho que sei quem é. Vamos ver o que vai dar.
Sobre a perna, pelo menos a mancha está diminuindo consideravelmente e quem sabe já não entro 2011 curado dessa "Erisipela".

Hoje o post vai ser curtinho e não aquele "jornal" que geralmente costumo escrever até porque não estou com muitas idéias para isso, mas precisava vir aqui para dar um "oi" e um "sinal", pois este blog é uma parte de mim.
Por hora é isso e eu vou ficando por aqui.

Abraço a todos!

sábado, 25 de dezembro de 2010

Estou com Erisipela

Depois que entrei de férias na faculdade comecei a trabalhar integralmente na loja de roupas. Trabalhei doze horas diárias, incluindo os domingos. Não tive descanso algum, mas posso dizer que valeu a pena pelo ótimo ambiente de trabalho e pela confiança que recebo dos donos da loja e da gerente que me conhecem desde criança.

Penso que Deus está sendo generoso e me recompensando pelos momentos difíceis que passei. Digo isso porque numa manhã um rapaz passou com um carro de tele-mensangem e me viu fazendo locução para a loja em que trabalho. Aproveitando que a sinaleira estava fechada, o rapaz me chamou e perguntou se tinha interesse de trabalhar com ele, eu apenas disse que no momento não teria como responder e ele me deu um cartão dizendo que assim que fosse possível entrasse em contato com ele. E ontem minha madrasta contou que a havia conseguido emprego de locutor para mim num mercado aqui no bairro em que moro, bastando apenas eu aceitar a proposta.

Nos dias seguintes não fiz locução porque algumas pessoas reclamaram do barulho e aí tive que assumir novamente o posto de fiscal de loja.
A "maratona" estava começando, teria que ficar doze horas de pé, apenas me sentando na hora do almoço e do lanche da tarde, pensei que não fosse acontecer nada, mas aconteceu. 

Por causa do grande período que tive que ficar de pé para cuidar do movimento da loja, as minhas pernas começaram a doer. Nos três primeiros dias apliquei "Gelol" spray para aliviar a dor que estava sentindo, só que não havia me dado conta de que a perna direita estava começando a ficar com uma mancha rocha.

Alguns dias passaram e as dores foram aumentando e aí recorri para os "relaxantes" musculares. A principio deu tudo certo porque o remédio inibia o efeito da dor, só que depois percebi que a mancha havia aumentando e ficado mais escura.

De fato comecei a ficar assustado e preocupado, inclusive a dona da loja pediu que eu fosse num médico o quanto antes.
A "coisa" estava "sinistra" e preocupante tanto que após sair da loja fui imediatamente a duas farmácias. A primeira um farmacêutico com sotaque baiano me atendeu e falou a mesma coisa que a dona da loja e noutra a farmacêutica falou que poderia estar com trombose e aí meus amigos não tive como não me assustar.

Fui direto para o posto de saúde, fiz ficha, mas depois desisti porque percebi que passaria a noite lá esperando pelo atendimento. Dirigi-me para o orelhão a fim de tentar ligar para o meu pai, mas o telefone não funcionava e então voltei para casa de taxi.

Estava bem abatido porque não teria como trabalhar na sexta-feira com as minhas pernas nestas condições. Liguei pra gerente e ela muito querida compreendeu a situação, depois liguei para a dona da loja e ela já queria me levar no médico, mas no final meu pai acabou me levando.

A alegria havia me deixado para dar lugar pra tristeza. Estava muito preocupado.
Meu pai e minha madrasta me levaram para a Unimed e lá o doutor muito atencioso me diagnosticou com "erisipela" (infecção causada na pele por uma bactéria). A perna direita estava rocha, quase preta e a esquerda também já estava começando a apresentar algumas manchas.

O doutor me examinou e prescreveu o tratamento que teria que fazer. Saímos da Unimed, mais ou menos pela meia-noite, o meu pai passou na farmácia e comprou os remédios para poder me tratar.
Chegamos em casa e minha madrasta me deu os remédios para dormir e após isso fui para a cama, mas não consegui "pregar" o olho de jeito nenhum. Devo ter dormido lá pelas 02h30min da manhã.

O brabo de tudo isso é que teria que ficar em casa de "molho" e eu fico entediado em casa, sou uma pessoa que precisa sair dar as minhas voltas.
Agora me encontro bem, o inchaço e a febre interna da perna diminuiu e acredito que até segunda eu esteja quase bom.

É isso, logo, logo escreverei mais um pouco até porque tenho mais algumas novidades para contar e dividir com vocês.

Feliz Natal e Abraço para todos!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Encerrando o ciclo de reprovações

Este semestre não foi muito bom para mim porque não consegui enfrentar as dificuldades referentes às disciplinas do curso de fonoaudiologia. Acrescentando que a apatia foi constante durante esse tempo todo e tem sido assim nos últimos tempos.

Hoje de manhã fiz a última prova que era de Fonoaudiologia e Aprendizagem, já vim preparado para o pior. Desejava fervorosamente que a prova fosse objetiva, pois teria mais chance de lembrar o conteúdo que estudei, mas não, a avaliação era dissertativa. Minha média final ficou em 3,0 precisando tirar 7,0 para poder passar.

A professora distribui a prova e o nervosismo tomou conta de mim, até porque depois de muito, mas muito tempo estava fazendo uma prova dissertativa visto que a maioria dos professores faz provas objetivas.

Olhei questão por questão e comecei a responder, mas já estava me "perdendo" nas idéias e aí "pulava" para a próxima pergunta.

Num dado momento não conseguia mais escrever e tão pouco me lembrava de algo que pudesse acrescentar. Esperei um pouco e entreguei a prova.

Sai da sala sabendo que havia reprovado, confesso que nem estou preocupado com isso e até me assusto com essa frieza, mas acho que isso se explica pela raiva que tenho por ter que fazer algo que não tem nada a ver comigo.

Para o próximo semestre tentarei me esforçar, sei lá, alguma coisa tenho que fazer porque não posso ficar reprovando toda hora.

Recebi o e-mail da coordenadora e semana que vem discutirei com ela a respeito das disciplinas para o próximo semestre. Estou muito preocupado quanto a isso devido ao grau de dificuldade de cada cadeira porque diferentemente dos currículos de outras universidades, aqui a onde estudo as cadeiras do curso de Fonoaudiologia são de 4, 6 e oito créditos, sendo a maioria de seis a oito o que torna o curso exaustivo e desgastante.

Infelizmente tenho que encarar isso, mas fazer o que? Paciência! Eu sou o principal responsável por ter deixado com que esta situação chegasse ao ponto que chegou.

Tentarei ir em frente até porque falta pouco para terminar o meu calvário, mais dois anos e eu já estou formado, o tempo passa depressa e a partir daí poderei me preocupar com algo que me agrade de verdade.

Abraço a todos!

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Azul da cor do mar - Tim Maia

Ultimamente tenho escutando esta música "azul da cor do mar", é uma letra que tem sentido pra mim porque estou buscando uma razão para viver, sonho com o dia em que posso "me encontrar" de verdade e ser feliz.
O sofrimento me "acompanhou boa parte da minha vida e agora aos poucos vou tentando "remar" contra a maré tentando esboçar um sorriso, tentando voltar a ser o que fui um dia.

My Sweet Lord - George Harrison

Ontem à noite casualmente meu pai fez com que eu abrisse os meus e-mails e olha-se um vídeo com a música "My Sweet Lord". Neste vídeo apareciam vários artistas como Paul McCartney, Ringo Star, Eric Clapton entre outros.
Era uma homenagem para George Harrison que fez parte de uma das maiores bandas de rock: The Beatles. O cara era gênio e esta música é um dos seus maiores sucessos.
Resolvi postar um com o George Harrison. Apreciem!

Que situação!

Hoje passei por uma situação constrangedora que poderia ter evitado. Fui para a faculdade pensando em fazer a prova de Anatomia, mas não me dei conta que a minha média estava tão baixa que nem fazendo o exame conseguiria reverter à reprovação.

Entrei na sala, o professor venho em seguida assim como os mais cinco colegas. Deu bom dia e começou a passar uma folha com os nomes dos que pegaram exame, só que o meu não constava na lista e aí ele viu a minha média e disse que não teria como fazer a prova.

Fiquei constrangido e rapidamente arrumei a mochila e sai da sala querendo desaparecer.

Fui para o laboratório de informática e ali fiquei amanhã inteira acessando meus e-mails e vendo vídeos no Youtube para descontrair um pouco.

Depois fui procurar a coordenadora do curso para falar a respeito das "pedreiras", quer dizer das disciplinas que terei que fazer no próximo semestre. Pelos meus cálculos já fiz 29 disciplinas faltando apenas 17 para serem concluídas, mas ela não estava no ICS (Instituto de Ciências da Saúde) e com isso optei por mandar um e-mail que estou esperando retorno.

Não estou muito animado e tão pouco inspirado para escrever, mas como sou uma pessoa "transparente", gosto de dividir o que se passa comigo.

Ontem foi um dia frustrante porque vi o Inter perder a chance de ir pra final do Mundial Interclubes e tentar conquistar o bi, mas enfim, bola pra frente que a vida continua.

Logo mais a noite terei um encontro com o pessoal da loja, a gente fez amigo secreto e hoje vai ser a revelação. Tenho que estar animado, ou pelo menos tentar, disfarçar para que não percebam.

Sobre a loja posso comentar que é tão estranho estar alguns dias longe do trabalho, mas sexta-feira se tudo der certo farei a locução.

Depois deste encontro pegarei o caminho de casa, pois amanhã sim terei prova e não vai ser nada fácil, as chances de passar são mínimas, mas vamos ver o que acontece.

É isso, o ano está acabando e o que tenho que fazer é passar uma "borracha" e recomeçar novamente. É isso!

Abraço a todos!

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Indecisões que só me atrapalham

Segunda-feira, mais uma semana que se inicia. Como escrevi anteriormente, já não tenho mais o costume de ficar em casa porque fico muito entediado e tudo o que mais quero é: trabalhar ou sair para dar as minhas voltas, as minhas caminhadas.

Acontece que deveria ter tirado o dia de hoje para estudar os polígrafos de Anatomia Humana e Fonoaudiologia e Aprendizagem porque peguei exame nestas duas disciplinas e francamente não consigo encontrar disposição para estudar.

Como sempre falo, não sei se essa má vontade com os estudos se deve por causa do meu relaxamento ou se é pelo fato de não gostar do que faço.

É tão complicado lidar com estas indefinições que se passam na minha mente, chego ao ponto de me culpar por estar indeciso e perdido em relação ao que quero na vida.

Tem tanta gente que já "nasce" sabendo o que quer e outros como eu que tem esta dificuldade de se definir na vida.

A pior coisa na vida de uma pessoa é não saber o que quer e fazendo um contraponto no que já escrevi, posso dizer que as áreas que gostaria de atuar seriam relacionadas à música, teatro, informática e rádio.

Antes de ingressar no curso de Fonoaudiologia, "flertei" com a possibilidade de fazer o de Ciências da Computação, só que como envolvia cálculos e o idioma inglês acabei desistindo porque sou péssimo em matemática e inglês para mim é algo difícil de dominar.

Já bati nesta tecla aqui no blog a respeito de uma consulta que fiz na qual o doutor Luis Felipe (que me atendia) disse que eu deveria me questionar sobre o que tenho de bom e o que eu gosto de fazer. De fato, fiz esse questionamento e essa resposta se encontra alguns parágrafos acima.

No momento a minha cabeça está voltada para o próximo semestre, sim, nem terminei estas cadeiras e já estou preocupado com as do próximo semestre que prometem ser ultra, mega Power dificílimas, sendo que são disciplinas de seis a oito créditos. Calculem a "pedreira".

Mandei um e-mail marcando uma reunião com a coordenadora do curso para que me oriente quanto às disciplinas porque do jeito que anda as coisas não me formarei em 2012/02, mas sim no ano 3000.

É difícil encarar esta situação, mas quem sabe as coisas melhorem para o próximo ano.

Abraços!

Será que estou agradando?

Desde que comecei a trabalhar senti uma mudança significativa de comportamento para melhor. A minha auto-estima começou a se elevar, comecei a me sentir útil e digno.

O trabalho tem sido muito bom para mim porque por alguns momentos consigo esquecer a maior chateação da minha vida que é a faculdade. Sempre digo que só de falar em faculdade já fico triste e batido.

A minha situação acadêmica não está nada boa, peguei exame em duas disciplinas e precisarei de bastante nota para passar e o pior de tudo isso é que não estou nada a fim de estudar e até falo que cheguei num ponto no qual me encontro inseguro sem saber mais o que gostaria de fazer.

Quanto ao trabalho, esta semana um dono de uma lotérica e outro dono de uma lanchonete reclamaram do "barulho" que estava fazendo, tanto que no sábado quando a gerente pediu que ligasse o equipamento para que eu pudesse anunciar as ofertas, já estava me sentindo desconfortável, mas mesmo assim peguei o microfone e comecei a falar.

Depois de uns minutos ela me chamou pedindo que desligasse tudo porque essas duas pessoas que citei acima foram reclamar. Me senti mal, mas consegui disfarçar e ela me disse que domingo poderia fazer a locução.

Comecei a me indagar:

- Será que estou agradando?

Essa pergunta me fazia toda hora, se bem que a gerente é só elogios para mim.

Então desliguei o equipamento, ela mandou um rapaz que havia chamado para a outra loja e eu fiquei com o outro ajudando a cuidar do movimento.

Já no domingo pude fazer locução e fiquei o dia inteiro falando e pior de tudo é quando não há movimento daí não tem como não ficar desanimado, tanto que eu falei que só começaria a fazer a locução quando começasse a passar pessoas na frente da loja e foi isso que aconteceu.

Dei umas osciladas, havia momentos que estava sem ânimo e outros que me encontrava animado. Talvez o que esteja me preocupando é se estão gostando do meu trabalho, visto que desde o inicio falei que não era profissional, mas que tentaria fazer o melhor possível.

O brabo de tudo isso é a tristeza que quer voltar como escrevi no post "Regressão no Humor". Estou tentando me controlar, mas esta maldita distimia quer me incomodar.

Agora uma coisa posso dizer: apesar de ter que ficar quase que o dia todo em pé, tenho que levantar as mãos para o céu e agradecer a Deus porque com certeza não conseguiria emprego em outro lugar.

E também percebo que agora não consigo mais ficar em casa porque fico entediado.

Enfim, espero que o desânimo vá embora e que a alegria e o bom humor voltem. Estou precisando de vibrações positivas.

Abraços!

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Vi uma menina que "mexeu" com a minha cabeça

No post anterior havia me queixado a respeito de uma mulher que estava escutando música com o fone de ouvido lá no último volume e devido a isso acabei saindo mais sendo do laboratório de informática.

E quando estava saindo do prédio multicolor (prédio do laboratório de informática) avistei o ônibus que fazia a linha colegial e ao invés de ir pra parada esperar uns quinze minutos para pegar outro ônibus, corri e "ataquei" esse no caminho.

Ônibus vazio é tudo que gosto, havia algumas pessoas, e vários acentos vagos. Sentei num banco e contemplei a noite que fazia, olhando para o céu a lua e as estrelas tentando esquecer da maldita prova que tinha feito durante a manhã.

O ônibus parou perto de uma imobiliária e lá eu desci indo reto pela Avenida Pedro Adams Filho ao invés de ir pra parada na frente do BIG.

Caminhei observando os enfeites de natal que aqui em Novo Hamburgo não é nada comparado aos de Campo Bom, Morro Reuter, Nova Petrópolis a onde tudo é mais lindo e caprichado.

Continuando a caminhada, parei na Praça das Pombas, ou melhor, Praça do Imigrante, mas que popularmente era conhecida como Praça das Pombas por causa do Pombal que tinha e que a prefeitura teve a infeliz idéia de tirar, privando os moradores da única beleza que ainda tinha ali.

Fiquei parado, pensando no que teria acontecido com as pombas e com a senhora que durante dez anos as tratava, dando comida, ou fazendo a higienização do pombal.

Já era tarde, não podia perder mais tempo ali e fui direto pra parada aguardar o ônibus para casa e aí me aconteceu algo que talvez nunca tivesse sentido, algo que não sei como explicar.

Quando estava na parada vi que duas moças (meninas de 18 ou 19 anos) chegavam, provavelmente saiam da aula porque estavam com o material de aula e bolsas. Aproximei-me delas. Um tempo depois uma delas passou quase que encostando em mim. Não consegui tirar os olhos dela, estava encantado, talvez enfeitiçado. Louco para agarrá-la.

As duas pegaram o mesmo ônibus e essa que eu estava interessado olhou pra trás e deu um sorriso, se era pra mim, não sei só Deus sabe.

Elas foram embora e eu fiquei ali sozinho pensando naquela guria. Tinha que dar um jeito de me aproximar, conhecê-la, enfim.

Peguei o meu "bus" pra casa e no caminho tive a idéia de que se as enxergasse de novo, procuraria a amiga dela e daria um bilhete com o meu nome, Orkut, MSN. Se ela tivesse namorado poderia descartar o bilhete, mas se não, que me desse uma chance. Comecei a "viajar" mesmo!

Agora posso dizer que tem coisas que tem que acontecer mesmo. Se não tivesse saído mais cedo da faculdade, quem sabe nem teria visto aquela menina.

Não sei se a verei de novo, mas se isso acontecer, vou tentar me aproximar, se a coragem me permitir é claro.

Abraço a todos!

Vou Reprovar Novamente!

Ontem à noite me encontrava no laboratório de informática tentando escrever um post a respeito da prova que fiz de Fonoaudiologia e Aprendizagem. Esta avaliação me deixou abatido porque eram seis questões dissertativas, portanto teria que escrever um "jornal" mais ou menos.

Na noite anterior, dei uma lida nos polígrafos, tentando estudar e colocar o conteúdo na cabeça, mas nada é fácil quando não se há o interesse. Já no momento quando li as questões, procurei escrever o máximo que podia, só que num dado momento nem sabia mais o que escrevia e por isso acabei entregando a prova com a metade das questões respondidas.

Sai da sala chateado com toda a situação querendo ir embora. Sentia-me muito mal, mas acabei indo direto para a clínica pra encerrar o atendimento da paciente que atendo com mais duas colegas.

Fizemos o atendimento e fomos embora. Fui para o centro almoçar depois dei uma passada no shopping e após isso retornei para a faculdade ficando a tarde inteira no laboratório de informática vendo vídeos no Youtube.

De noite quando tentava esboçar um texto para o blog, uma mulher logo atrás de mim escutava música dance com fone de ouvido no último volume possibilitando com que eu ouvisse e dificultasse a minha concentração para escrever.

Depois de várias tentativas resolvi sair e resmunguei:

- É brincadeira!

A mulher pelo visto ficou toda "errada", mas eu também poderia educadamente abordá-la e dizer:

- Por gentileza, será que dá para baixar o volume do som que eu estou tentando escrever?

Mas não, não fiz isso. Optei pelo silêncio, se bem que às vezes me irrito comigo mesmo por não ter coragem de falar algumas coisas.

Falta atitude da minha parte, mas sinto que aos poucos isso está mudando em mim, ou seja, não fico tão quieto e falo o que penso.

Enfim, já me considero reprovado em duas das três cadeiras que estou fazendo e o jeito é me preparar para o próximo semestre que promete não ser nada fácil.

Abraço a todos!

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Regressão no Humor


É impressionante, mas ontem tive uma regressão no humor, ou seja, voltei para aqueles dias de mau humor e isso aconteceu talvez por ter ficado em casa e não ter ido trabalhar porque no último domingo falei com a gerente da loja e ela disse que não precisaria ir para a loja quando tivesse prova.

Então segunda-feira cortei a grama de casa que já estava grande e na terça terminei porque a casa em que moro é de dois pisos e o pátio se divide em três partes. Imaginem o trabalhão!

Na terça-feira de manhã meu pai me levou pra Sapucaia para ver como está indo a reforma que está fazendo num prédio que adquiriu, até porque como estudo e trabalho fica difícil acompanhar a evolução das obras.

Ficamos ele, minha madrasta e eu lá Sapucaia. Eu apenas via o meu pai conversar com o engenheiro a respeito de material de construção e o que ainda deve ser feito. Na verdade estava "louco" para ir embora porque queria terminar de cortar a grama e também precisava estudar.

Depois de muita conversa, finalmente voltamos para casa, a minha madrasta ficou por lá porque iria até a biblioteca da ULBRA pesquisar algumas coisas para o seu curso.

Chegamos em casa e me "atraquei" para terminar de cortar a grama e depois, sozinho em casa (meu pai tinha saído para ir atrás de piso para a obra) abri uma lata de cerveja e "virei" tudo.

Neste meio tempo ficava pensando na loja, nas meninas, nas brincadeiras que faço nas bobagens que falo para elas e percebi que estava entediado por ter que ficar em casa.

Nem estava a fim de conversas devido ao mau humor em que me encontrava, apenas fui para o quarto tentar estudar um pouco, mas com a "vontade" que estava e o calor que fazia não tinha como ler um monte de polígrafos e aí peguei no sono.

O brabo é você saber que precisa estudar para uma prova e não ter nenhuma paciência e vontade para isso.

Juro que tentei estudar, mas definitivamente não estava a fim. Não tinha como me concentrar naquela "penca" de material e isso já ia me deixando desgostoso, emburrado e mal humorado. Pensei comigo: "Como queria estar na loja trabalhando agora"

Já à noite meu pai preparou um peixe no forno (meu pai cozinha bem) e um pirê (purê ou pirê) e me deu um licor pra tomar e enquanto ficávamos na cozinha conversando e fumando narguilé e aí ele sugeriu que eu ligasse para a gerente da loja que também é amiga dele. Eu fiquei sem jeito, até porque eram 22h30min e não tenho por hábito ligar neste horário para as pessoas e até fiquei sem jeito, menos mal que ela estava acordada.

Acho que ela ficou feliz com a minha ligação e até disse que as meninas (vendedoras) sentiram a minha falta (que bom rs). E também me convidou para ir tomar um cafezinho e conversar com ela.

Bom, depois deste "apanhado" de coisas posso concluir que preciso trabalhar porque trabalhando me sinto digno, me sinto gente e me sinto útil e acima de tudo: o meu humor melhora e muito.

Amigos, vou ficando por aqui e como sempre digo a luta segue, vamos em frente.

Abraço a todos!

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Trabalhei no domingo, mas valeu a pena

No último sábado trabalhei como locutor, anunciando as promoções de roupas e fazendo as chamadas para o natal. Fiquei praticamente o dia todo falando só que dessa vez não comprometi muito a garganta porque tomei bastante água e fiz alguns exercícios de aquecimento vocal que também ajudaram.

Durante alguns momentos dei algumas osciladas, mas nada que não pudesse ser contornado, até porque não sou profissional e tão pouco vivo disto, mas enfim, estou fazendo o meu melhor e acho que posso fazer mais.

Agora ao ligar a caixa de som e o microfone, já começo a pensar no que vou falar e não me deixo dominar pelo nervosismo, embora que aquele friozinho na barriga é normal, mas passa com o tempo.

O difícil é "chamar" as pessoas porque não adianta só ficar lendo os preços das roupas, mas sim "chamar" e atrair as pessoas para loja e isso não é fácil. Por isso que admiro o trabalho dos locutores.

Bom, depois de falar o dia inteiro, já no final do dia quando recebi o pagamento, a gerente perguntou se eu poderia vir no domingo e prontamente respondi que se ela precisasse me colocaria a disposição da loja, mas que não sabia se a minha voz estaria boa para falar no microfone e ela disse que não teria problema.

Sábado, final de tarde sai feliz da loja e fui pra parada pegar um ônibus pra ir na minha mãe. Cheguei cansado, mas deu para conversar um pouco, contei as novidades do meu trabalho e tanto ela como a minha irmã disseram que eu estava bem diferente e bem animado.

Em seguida fomos dormir, "desabei" na cama, mas não consegui pregar o olho porque já estava fazendo as contas de quanto iria ganhar nos dias em que trabalhasse na loja e posso dizer que graças a Deus estou ganhando bem, o necessário para poder comprar as coisas que quero.

Acordei cedo no domingo. O meu pai ao nos buscar (minha irmã e eu) me deixou na loja, fui um dos primeiros a chegar e logo em seguida foram chegando às vendedoras, algumas com cara de sono e depois a gerente chegou e abrimos a loja.

A principio o movimento foi fraco, mas de tarde melhorou significativamente. 

Quero contar um fato que ocorreu no almoço, quando as vendedoras e eu fomos almoçar. Na loja tem uma cozinha pequena e lá fazemos as nossas refeições, o café da manhã, o almoço e o lanche da tarde. Pois bem, o nosso almoço foi salada e frango assado. Acontece que estava tendo dificuldade para cortar o frango, aliás, sempre tenho dificuldade pra cortar a carne quando vou me servir e aí fiquei com vergonha de me servir e acabei comendo pouco.

As "meninas" (é como as chamo) falaram para a gerente que não tinha comido o bastante e ela disse que era para eu voltar lá e almoçar. Acabei indo e depois me "soltei" um pouco na mesa falando que durante a infância tive problemas de coordenação motora e que fiz tratamento, coisa e tal.

Em resumo de tudo o que escrevi, mesmo estando cansado posso dizer que valeu a pena ter trabalhado no domingo.

Ah, um fato aconteceu. A minha ex-madrasta foi na loja e como estava de aniversário me "obriguei" a cantar parabéns junto com as vendedoras. Ela foi lá porque é amiga da dona da loja. Fazia dois anos que não havia desde que meu pai e eu saímos do apartamento em que morávamos. 

É uma história muito, mas muito longa. Quem sabe um dia, ainda escrevo aqui no blog

A abracei desejando tudo de bom, perguntou como estava e respondi que bem. Conversamos pouco, mas depois ela venho se despedir de mim e disse que havia feito coisas erradas. Falei que o tempo muda as pessoas que nós como seres humanos também erramos (não foi necessariamente nestas palavras que falei, mas foi quase isso) e ela foi embora.

Bom, vou ficando por aqui porque a minha semana está cheia. Tenho três trabalhos e duas provas para fazer.  Dureza!

Abraços!

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

2º Dia Como Locutor

Estou cansado, as minhas pernas pedem por um sofá ou uma cama, mas não poderia deixar devir até aqui e contar como foi o meu dia hoje. O segundo dia como locutor.

Deixei claro para a gerente de que tentaria fazer o meu melhor e de que não era profissional como o Daniel que fez a locução dos preços da loja no último sábado.

Pensei que hoje seria mais fácil, mas posso dizer que oscilei um pouco, mas acredito que não comprometi. 

As vendedoras até elogiaram dizendo que havia melhorado bastante e que estava bem.
 Acontece que locução não é só pegar a tabela de preços e ler, mas sim chamar o cliente com frases do tipo:

- Final do ano, o natal chegando e você com aquela dúvida cruel, então passe na (nome da loja) e venha conferir as nossas ofertas e promoções que preparamos pra você.

Era mais ou menos isso que eu falava e quando anunciava as roupas, procurava descrever como, por exemplo: Chegaram às camisas do pânico! Camisas cheias de estilo para você que é cheio de estilo!

Inclusive criei um slogan para a loja em que trabalho: (nome da loja) a loja que veste você, nada original né (rs).

Durante a tarde fui muito bem, estava mais animado e as palavras saiam com facilidade da minha boca, só depois é que encontrei dificuldade para falar, mas mesmo assim consegui contornar a situação.

Engraçado que toda vez que ligar a caixa de som e o microfone sentirei aquele "friozinho" na barriga, mas enfim, não posso me esconder deste "fantasma" e sim enfrentá-lo.

Os donos da loja que me conhecem desde criança me deram muita força e se não estivesse gostando da forma como estava fazendo a locução já teriam me falado e eu entenderia numa boa, mas não, eles foram super legais e isso já conta bastante.

Só pra vocês terem uma idéia, ao chegar em casa falei a mesma coisa que estou escrevendo aqui para o meu pai e surpreendentemente ele me deu a maior força e disse que eles não iam botar o Alemão que também é fiscal da loja, uma pessoa muito boa, humilde e legal porque ele não teria jeito, não seria a "praia" dele, embora ele seja bom nas coisas que faz lá na loja.

Amanhã trabalharei de novo e pelo que percebi a loja abrirá neste domingo. Ninguém falou comigo e se falar não poderei negar e sim me colocar a disposição para trabalhar.

Espero melhorar, é isso que quero. Preciso evoluir, progredir e nada melhor do que esta oportunidade que estou tendo de trabalhar porque isso está fazendo um "bem danado" sinto que o meu humor está melhorando, estou mais alegre e disposto.

Esta foi a minha sexta-feira. Agora vou relaxar e descansar que amanhã "promete"!

Abraço a todos!

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Dificuldadades para Escrever

Estou agora na faculdade preparando-me para pegar o ônibus para o centro e assim pegar outro que me leve para casa. Passei o dia aqui. De tarde aconteceu um fato inusitado enquanto "almoçava" um waffer, um homem e um rapaz que trabalham na universidade se aproximaram de mim e já pude perceber o que havia chamado a atenção deles: era a camisa do Inter que eu estava usando, modelo que será usado no Mundial de Clubes FIFA.

Os dois vieram até mim e perguntaram quanto havia custado à camisa e por aí vai, só sei que depois fiquei meia hora conversando com eles a respeito de futebol. Da minha parte falei pouco porque mal sabia a escalação da Inter de Milão.

O papo foi bom, nem conversei muito porque estava meio rouco, se bem que a rouquidão não se devia a locução que fiz terça-feira, mas não queria "gastar" a voz até porque quando fizer uma locução de novo vou deixar uma garrafa de água do lado para hidratar as pregas vocais e também farei exercícios de "aquecimento" vocal.

Os dois homens foram embora e eu fiquei conversando com um senhor e em seguida fui para a biblioteca tentar fazer um dos meus três trabalhos que estou devendo em Fonoaudiologia e Aprendizagem, mas a dificuldade de escrever era tanta que acabei dando Ctrl+C e Ctrl+V fazendo apenas pequenas modificações no texto.

O brabo é que a minha escrita está comprometida, sinto que não escrevo mais como antigamente e abuso muito dos erros de português que acabo corrigindo no Word.

Não sei como será no TCC (Trabalho de Conclusão do Curso) porque terei que escrever praticamente um livro. Vou ter que me "puxar" bastante, mas até lá quem sabe eu melhore alguma coisa.

Agora vou pra parada pegar o meu "bus" e ir pra casa. Amanhã será outro dia.

Abraço a todos!

Mudei a descrição do blog

Estou pensando em mudar algumas coisas no blog porque já não vejo com depressão, embora haja momentos que bate uma tristeza. Decidi que não posso e não quero aceitar esta depressão! Faz duas semanas que venho me sentindo bem e como falei anteriormente isso se deve ao fato de estar trabalhando e ocupando a minha cabeça com outra coisa que não seja a faculdade que só me trás desgosto.

Por isso decidi mudar a descrição do blog para esta:

"Sou um cavaleiro em busca da paz interior, da esperança, da alegria e da vontade de viver. Renasci várias vezes das cinzas como a armadura de fênix que visto. Diversas foram às batalhas que lutei, algumas consegui vencer e outras perdi, mas mesmo assim vou lutando. No momento luto contra a depressão e a distimia. E neste espaço quero dividir com vocês o meu cotidiano e a minha luta."

Encontrei grandes dificuldades para fazer esta descrição por incrível que pareça, paço por um "bloqueio" de criatividade. Não sei se ficou bom, talvez mude, talvez não.

Mudanças são necessárias. Acredito que agora as coisas estão começando a dar certo pra mim, vamos ver, estou apenas no começo, aliás, estou recomeçando.

Como sempre digo a vida é uma luta e todo dia lutamos com a possibilidade de vencer ou perder. Vencemos pra nós mesmos e perdemos pra nós mesmos. É assim.

No momento estou feliz, não sinto nenhuma tristeza a não ser é claro quando começo a pensar na faculdade e o resto da história vocês já sabem meus amigos e até falo para que me pergunta:

- Só de falar na faculdade, já me dá depressão.

Não minto mais sobre esse assunto, aliás, cansei do "faz-de-conta". Minha colega perguntou se depois que me formasse se trabalharia como fonoaudiologo, respondi que a principio sim porque precisaria ganhar dinheiro, mas que depois faria algo que realmente gostasse.

Então é isso. A Saga continua.

Abraços!

Estou feliz porque estou trabalhando

 
Num dos posts anteriores falei do bem que o trabalho está me fazendo porque sinto que a minha auto-estima aos poucos está se levantando e o meu humor está mudando para melhor.

Ao reler o livro que conta os bastidores e a história do filme de Chico Xavier li uma frase que ele sempre falava: O trabalho engrandece a alma. Posso dizer que é assim que estou me sentindo.

Espero de verdade melhorar cada vez mais como pessoa, evoluir, crescer. Tenho tantas coisas para mudar, mas quem não tem? Acho que certas coisas não tem como mudar, nós como indivíduos nunca seremos perfeitos então a pergunta que cada um deve se fazer é: o que eu tenho de bom? E foi isso que fiz friamente me indaguei a respeito de minhas qualidades e percebi que sou uma pessoa engraçada, extrovertida ao mesmo tempo tímida, que gosta de fazer os outros rirem, gosta de cantar enfim... fui elencando todas as qualidades que eu achava que possuía e seguindo o conselho do médico que me atendia comecei a trabalhar as coisas boas que tinha.

Embora não tenha amigos com quem possa sair e conversar, posso dizer que neste tempo de blog fiz grandes amigos e espero fazer mais. Como diz aquela música do "Rei" Roberto Carlos: Eu quero ter um milhão de amigos e bem mais forte poder cantar.

Então posso dizer que estou feliz e bem comigo mesmo, mas como sempre digo, não sei até quando. Tem até mais uma frase que li no livro sobre Chico Xavier: Isso Passa! Essas duas palavras valem para momentos bons e ruins porque na vida tudo é momentâneo e passageiro.

Todo dia tem sido uma luta, no qual estou conseguindo algumas conquistas no campo profissional, só que não posso falar o mesmo da faculdade que só de pensar me dá um grande desânimo e aí meus amigos a tristeza e a preocupação vem tudo junto para perturbar.

Sobre a faculdade, estou tentando estabelecer metas para o próximo semestre já que este está quase que totalmente perdido. Vou ter que me "puxar" bastante!

Amanhã terei estágio e depois seguirei para o trabalho, talvez me coloquem de locutor novamente.



Abraço a todos!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Comprei a Camisa que o Inter vai Usar no Mundial

Na última segunda-feira, tirei o dia olhar tênis porque o meu da Olympicus que não tem cinco meses já está querendo "se entregar". Passei por várias lojas até que entrei numa e vi um tênis da Reebok, todo cinza com detalhes em branco e vermelho por R$ 150,00, só que infelizmente não tinha no meu número porque calço 43, mas o vendedor me mostrou outro modelo, todo preto por R$ 109,00. Acabei levando.

Como não tenho calçados a não ser um par de tênis que já está ficando feio, precisava comprar outro porque agora que estou trabalhando não posso andar com tênis sujo e muito menos rasgado.

Sai da loja e fui para o shopping, passei pelo quiosque do Inter a onde estavam a venda as camisas que o Inter irá usar em Abudhabi. Olhei para a camisa e fiquei hipnotizado, é uma camisa retrô, bem simples, mas muito bonita, uma camisa limpa e sem aquele monte de patrocínio a não ser do Banrisul.

Perguntei para a moça sobre as condições de pagamento enquanto experimentava as camisas e ela falou que poderia dar uma entrada de R$ 50,00 e parcelar em três parcelas de R$ 50,00.

Fiquei na dúvida se cometeria esta loucura ou não pelo time do meu coração, até porque não tinha muito dinheiro, se bem que recebo nos dias em que trabalho.

Deixei assim e disse que voltaria outra hora.

Desci a escada rolante e entrei na Paquetá Esportes e ali pedi para o vendedor se poderia experimentar as camisas. Experimentei e perguntei as condições de pagamento, disse que eu poderia dar de entrada R$ 60,00 e parcelar o restante em cinco parcelas de vinte e sete reais com alguns quebrados.

Não tinha outro jeito, aquela camisa vermelha estava me "tentando" e acabei comprando. De graça levei um "turbante" para torcer pro Inter lá em Abudhabi.

Nem comentei com o meu pai, vou esperar mais um pouco para depois falar porque a parte que dei de entrada era o dinheiro que recebi da faculdade por ter cancelado uma disciplina que só estava me trazendo várias dores de cabeça e sem contar que também comprei o violão que para efeito de qualquer dúvida foi a minha mãe que deu.

Sei que é errado mentir, mas infelizmente tive que me acostumar a mentir que gosto do curso que faço na faculdade, mentir que estou bem nas matérias, enfim.

Agora quando falo para as pessoas a respeito da faculdade, digo somente a verdade contando como fui parar neste curso.

Voltando ao assunto da camisa, é muito bonita e lembra o modelo que o Inter usou na década de 70 quando tinha craques de alto nível como Carpegiane, Falcão, Figueroa, Manga, Escurinho e tantos outros que usaram e honraram o "manto sagrado".

Bom, vou ficando por aqui. Tenho estágio e estou torcendo que não tenha nenhum bebê para avaliar porque tenho dificuldades de fazer as avaliações necessárias.

Abraços e até mais!