segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Dando as Caras

Há tanto tempo que não escrevo que não sei por onde começar. Difícil é você fazer algo que sempre teve facilidade.
Estes dias vi um cantor famoso que também é compositor falar a respeito do processo de composição de suas músicas. Ele disse que quando ele compõem com frequência tem mais facilidade para desenvolver outras composições. E assim é com um escritor, um poeta.
O fato é que ando trabalhando muito e nem posso me queixar. Devo levantar as mãos aos céus e agradecer, mas acontece que a minha vida tem se resumido somente a trabalho.
Gosto de exercer as atividades de fonoaudiólogo e locutor, mas chega um ponto em que é preciso desacelerar um pouco.
Posso dizer que a minha vida profissional vai de vento em polpa, porém a vida profissional tá muito devagar, não deslancha e aí me dá as oscilações de humor. Lidar com essas nuances de humor não é fácil.
Vou ficando por aqui.

Abraço a todos!

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Preciso vencer a tristeza e acreditar no amor.

Fico pensando, será que um dia encontrarei a felicidade que tanto busco?
A tristeza tem me invadido por completo e com ela a desesperança  de que algo bom aconteça.
Até hoje tive dois envolvimentos com mulheres, mas nada sério.  A primeira de fato foi a que me marcou e a que demorei pra esquecer; a segunda serviu para que eu esquecesse a primeira, mas por mais que tentasse não conseguia gostar dela como mulher.
Depois dessa segunda pessoa que me envolvi não tive mais ninguém e para tentar preencher o meu vazio passei a recorrer a serviços de prostituição.
Acho que já "torrei"R$ 1.000,00 com prostitutas. É aquela coisa do toque, contato físico que pode até ser bom, mas logo após vem aquele "vazio".
Ando muito desanimado em matéria de relacionamento. Tenho procurado, mas não consigo encontrar ninguem. Muitas vezes penso que nasci pra ser sozinho. Dói muito isso.
Há pouco tempo a namorada do meu pai me apresentou uma moça pela qual demonstrei bastante interesse. Começamos a trocar mensagens e ela era gentil, amável, mas quem tomava a iniciativa era somente eu.
Não ficava a todo momento mandando mensagens, eu apenas a procurava duas vezes por dia: de manhã para dar bom dia e a noite para perguntar como havia passado.
Nos encontramos duas vezes e eu sequer a beijei. Por ela ser tímida eu a respeitei de mais.
Semana passada fiz uma tentativa, a convidei para nos encontrarmos no início da tarde e ela disse que estava atarefada e que queria me falar algumas coisas. Aí eu senti que a coisa não estava favorável pra mim.
Ela me elogiou bastante, mas disse que não me via como namorado e sim como amigo. Isso foi um balde de água fria pra mim que estava empolgado como a muito tempo não ficava. Criei expectativas e quebrei a cara.
Depois desse "cano" que levei, os primeiros dias foram difíceis e eu tenho oscilado muito entre "altos e baixos", porém como costumo dizer, há situações na vida que devemos passar. Não sou o único homem que levou um fora de uma mulher.
Enfim, tenho que dar um jeito de me animar novamente, de recobrar a minha alegria e tocar o barco.
Espero que um dia a sorte esteja do meu lado e eu possa encontrar um de verdade.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Feriado de Tiradentes e amigos que valem muito.

Confesso que não gosto muito de feriados. 

Hoje foi feriado de Tiradentes. Serviu para descansar, recarrefar as "baterias".

Fui almoçar na casa de um casal de amigos. 

Ele é locutor e o principal responsável por eu ser mais um profissional na área.

A este amigo, grande irmão sou grato por ter me ajudado a perder a inibição de falar em público e o receio de fazer imitações na frente dos outros.

Meu amigo e sua esposa sempre passaram muita confiança pra mim, acreditando no meu potencial e no meu trabalho.

É tão bom quando você tem quem o motiva e acredita em você mesmo.

Penso que se muitos ao invés de criticar o outro fizessem o contrário, o mundo seria bem melhor.

Abraço a todos!
Ikii

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Acho que vou reativar este blog

Há muito tempo atrás resolvi que não postaria mais nada neste blog, pois até então estava passando por um momento muito bom. Aí criei o blog "Tocando em Frente" e naquele espaço procurava postar mensagens positivas, além de compartilhar coisas da minha vida sob uma óptica otimista.

Sim! Eu era uma das pessoas mais pessimistas e abatidas que existia. Não posso dizer que não tenho meus momentos de angústia, tristeza, solidão, tenho sim, mas procuro não lamuriar, me queixar tanto.

O fato de estar vivo é um presente para mim e aí vejo o quanto Deus é bom. 
Apesar da minha vontade, deixo nas mãos dele a minha vida e se assim for, Ele me capacitará para ajudar as pessoas que passam por problemas relacionados a distimia, depressão, transtorno de déficit de atenção através de uma palavra de fé e de ânimo aqui neste espaço.

Meus amigos, andei muito tempo afastado e para mim será um tanto complicado fazer as postagens, pois uma das coisas que me afastou deste espaço era a minha dificuldade de ter ideias para contar as coisas que aconteciam comigo e também compartilhar meus sentimentos com os amigos leitores.

Não foram poucas as vezes em que acessava os blogs e procurava escrever, mas não vinha nada em mente.

Por isso peço um pouquinho de compreensão aos amigos.

Muitos talvez se perguntarão, como vai o Ikki? Eu vou bem, compreendendo a marcha, tocando em frente. 

Com muita luta, sofrimento me formei numa profissão que odiava, mas que aprendi a gostar que é a de fonoaudiólogo. Atuo na parte de audiologia ocupacional nas clínicas de medicina do trabalho. Além de fono, tenho outra atividade profissional: a de locutor publicitário. Faço locução em porta de loja e através deste trabalho interajo com as pessoas procurando passar uma mensagem de otimismo, sem esquecer que faço as minhas imitações do Silvio Santos, Lula, Marcelo Rezende e consigo na maioria das vezes tirar um sorriso do rosto das pessoas.

Enfim, tentarei, farei um esforço para retomar o blog, pois através de e-mails pude ver o quanto algumas pessoas se identificaram com as linhas escritas por este blogueiro. 

Vou ficando por aqui.

Um grande abraço!

Ikki

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Sigam o novo blog: Tocando em Frente

Tenho pensado muito a respeito da continuidade deste blog. Foram mais de 600 postagens, muitas histórias, acontecimentos da minha vida que dividi com vocês. 

No momento estou vivendo outra realidade, lógico que tenho os meus problemas, mas acontece que tenho procurado viver da melhor forma possível. Antes via apenas o lado ruim da vida e hoje vejo que também há o lado bom. As dificuldades estão aí para serem enfrentadas e superadas. O que não podemos é nos darmos por vencido. Cada dia que passa é a oportunidade que temos para recomeçar. Com força, foco e fé podemos chegar lá. Eu acredito.

Por isso estou "ressuscitando" o blog "Tocando em Frente" que tem por finalidade ver o lado positivo da vida. Quem me acompanha há mais tempo vai se lembrar deste blog. Fiz algumas postagens nele e depois retomei o "Encarando a Distimia" que cheguei a mudar de nome algumas vezes para o "Encarando a Depressão".

Alguns meses uma leitora amiga passou a me enviar emails e suas mensagens foram estimuladoras para mim. Não estou 100%, mas acredito que estar bem melhor do que alguns meses e foi ela que sugeriu que eu criasse um blog focando o lado bom da vida e eu comprei essa ideia. A vida não é feita só de tempestade. 

Vai chegar o momento em que o sol e o arco-iris irão aparecer e aí sim sua vida vai mudar. O que podemos fazer? Tome uma atitude, faça a sua parte porque nada nesta vida é de graça. Só pra citar um exemplo, conheço uma pessoa com depressão que se tratou com vários profissionais custeados pela mãe, mas só que ela não se ajuda, não toma uma atitude e se conforma com a sua situação. Posso citar mais um exemplo, outra pessoa que conheço tem síndrome do pânico e trata depressão e a diferença é que esta pessoa "se ajuda", ela quer melhorar e age. Não podemos ficar inertes, de braços cruzados esperando que as coisas mudem assim tão de repente. As coisas irão mudar se você mudar. Faça por onde.

Estou passando o link do outro blog: Tocando em Frente: http://tocandoemfrente-ikki.blogspot.com.br/

Abraço a todos!

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Desencanto com a fonoaudiologia: Preciso resolver minha vida

Tenho pensado muito em encerrar o blog "Encarando a Distimia" e ressuscitar o "Tocando em Frente" que está há um ano ou mais desatualizado. O "Encarando a Distimia" fiz com o intuito de expor a minha vida, meus sentimentos e pensamentos. Dividi muitas tristezas, mas também algumas alegrias. O teor do blog, para quem acompanha a um bom tempo é um tanto pesado, diferentemente do outro blog que criei na época em que tive condições de me tratar com psicólogo e psicopedagoga respectivamente.

Não tenho tido ideias e nem inspirações para escrever neste espaço, mas atualmente vivo um momento de indefinição na minha vida. Ao ser demitido da clínica em que trabalhei durante dois meses, usei parte do dinheiro para pagar a minha anuidade junto ao conselho de fonoaudiologia, pois se não estou em dia com o conselho tenho o meu registro suspenso. 

Desde janeiro tenho trabalhado como freelancer, faço audiometrias ocupacionais para uma colega e ganho em média R$ 300,00 que não, mas mesmo assim procuro valorizar a oportunidade que tenho de ao menos exercer a profissão.

O problema é que semana retrasada fui fazer audiometria ocupacional numa clínica situada em uma cidade vizinha. Trabalhei das 14h30min às 18h30min e passei por uma situação que para mim é constrangedora. 

No início da tarde avaliei duas mulheres que roubaram muito o meu tempo porque elas estavam com latência (demora) para responder o exame. É algo difícil de explicar, mas, por exemplo, tem pessoas que quando dou o sinal no audiômetro já levantam a mão acusando que ouviram o som e outras que demoram para "receber" o som.

A secretária da clínica num desses atendimentos que estava realizando venho até minha sala e educadamente cobrou-me agilidade. Tentei me "puxar". Do lado de fora da sala às pessoas aguardavam nervosas para fazerem o exame.

Teve uma pessoa que me irritou profundamente, foi um servente de pedreiro. Chamei-o para fazer o exame, eu estava de pé organizando as vias das audiometrias que tinha feito e o rapaz entrou e disse: 
- Tá demorado isso aí.

Ouvi aquilo com certa raiva, pedi que sentasse para pegar os seus dados e preencher as guias das audios. Só que ao invés dele se sentar na poltrona indicada, se sentou na minha cadeira de frente para o aparelho e aí eu não me aguentei. Fui estúpido sem ser mal educado.
- O senhor está sentado na minha cadeira. Senta nesta que está à frente. Vou pegar os seus dados, vamos fazer o exame e logo, logo o libero para o exame clínico.

Pronto. O cara baixou a bola, entrou na cabine, fiz o exame dele e o liberei.

Ao terminar o dia tentei explicar a secretária a minha demora, dizendo que há pessoas que respondem rápido e outras que responde devagar o exame, mas esqueci de falar que pela pressão de fazer tudo "correndo" estou sujeito a errar um laudo e posso também ser processado. Resumo da ópera: quem se ferra sou eu e não o funcionário.

Esta situação a respeito da pressa das empresas para que o fonoaudiólogo faça as audiometrias ocupacionais já está gerando alguns debates.

A audiometria é um teste que serve para verificar o limiar auditivo da pessoa, em outras palavras, o mínimo de som que ela consegue escutar. Geralmente o exame tem que ser feito por via área, via óssea e audiometria vocal que também é de grande valia, pois avalia a capacidade de compreensão da voz humana e complementa o teste, mas isso não é feito nas clínicas de segurança medicina do trabalho. Outra coisa que não se faz é a meatoscopia que a inspeção de como está à orelha, se há tampão de cera, se a membrana timpânica está rompida.

Essas coisas de certa forma estão me revoltando e claro que também a outro fator que se refere a mim: tenho dificuldade para escrever rápido.

Ontem fui fazer audiometria pela primeira vez noutra clínica porque o sogro da fono de lá faleceu e esta precisava de um fono que a substituísse. Fui fazer as audiometrias e aconteceu a mesma coisa: a secretária entrou na sala umas duas vezes e muito gentil pediu que fosse rápido com os exames. Já me senti na pressão. As pessoas estavam impacientes e para me ajudar as secretárias estavam preenchendo as guias para mim e com isso a única preocupação minha era fazer a audiometria e escrever o laudo.

Fiquei umas três horas na clínica e fiz 24 audiometrias. Saí de lá meio deprimido e desgostoso comigo mesmo.

Tenho refletido muito em largar a fonoaudiologia porque é difícil de conseguir emprego e trabalhando com audiometria é preciso ser rápido, fazer tudo correndo.

Preciso pensar no que fazer. Pretendo atuar na fono até o final do ano, pois paguei a anuidade e aí ano que vem pensarei no que fazer, seja trabalhando como locutor ou de auxiliar de loja, sabe lá. Tudo o que sei é que tenho de dar um jeito e resolver a minha situação.

Abraço a todos!