quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Resfriado e Em Busca de Atendimento Psicológico


Olá amigos aqui estou eu de novo só que um pouco resfriado e abatido. Durante a manhã faltei aula e fui ao CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) com o encaminhamento feito pelo posto de saúde para consultar com psiquiatra e assim poder começar a me tratar com antidepressivos.

Acontece que infelizmente o SUS como todo o mundo sabe não funciona como deveria, sendo que qualquer pessoa tem direito de ser bem atendido e também de poder consultar.

Ao chegar no CAPS tive que esperar "uma eternidade" para que fosse atendido, visto que são duas pessoas que atendem lá só que uma chegou atrasada meia hora e eu estava quase dormindo.

A moça me chamou e explicou que o CAPS estava sem psiquiatra e que em breve resolveriam esta ausência e me falou que em último caso deveria procurar o hospital para ser atendido.

Sai de lá chateado e ao mesmo tempo preocupado porque estou aguardando por um exame que pode me ajudar a elucidar se tenho ou não alguma coisa, mas acho que é mais fácil ganhar na loteria do que ser chamado, ou melhor, preciso morrer para que me chamem. Esta é a política do Sistema Único de Saúde. É brabo isso daí tchê.

Depois fui ao mercado, comprei um iogurte que foi o meu almoço hoje e em seguida peguei o ônibus para a faculdade. Não queria deixar a minha colega na mão em relação ao atendimento que realizamos todas as quintas-feiras na clínica de fono. Cheguei e fui direto para uma das salas disponíveis da clínica e esperei que a minha colega chegasse. Se tivesse faltado hoje, ela atenderia a nossa paciente sozinha porque a outra colega faltou.

Agora uma coisa que chama atenção nesta paciente é que ela é "meio desligada" parece que "viaja", é bem dispersiva e após o atendimento até comentei com a colega de que aquela criança era mais "desligada" do que eu, pois sou "esquecido" e me distraio facilmente.

Só pra dar um exemplo, meu pai pediu que eu comprasse a vodka Perestróica e se não tivesse esta poderia trazer outra e foi isso que fiz, mas acabei pegando uma "Velho Barreiro" que nada mais é do que cachaça e ontem já ouvi do meu pai que ele tem que escrever tudo no papel pra mim como se fosse uma criança para que não faça nada errado. Até poderia ter dito que não soube identificar o tipo de bebida porque não bebo a não ser uma cerveja "a cada morte de papo".

Então estou nessa aí, sem saber a quem recorrer. Mandei um e-mail para clínica de psicologia da faculdade para saber a respeito do atendimento e se tem alguma taxa que devo pagar. Não posso esperar! E semana que vem entrará o dinheiro da rescisão de uma das disciplinas que cancelei semana passada, não é muito, mas vou ver o que posso fazer.

Enfim, espero que amanhã esteja melhor deste resfriado, ainda bem que não está calor porque se não eu sofreria ainda mais.

Abraços!

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Resfriado e Um pouco Abatido

O que um resfriado não faz heim? Estou com esta maldita depressão sentindo-me indisposto. Vocês nem sabem, mas agora estava na sala com o meu pai olhando tevê e eu não conseguia falar nada, ou melhor, não estava a fim de falar e sim ficar quieto no meu canto. Ele deve pensar um monte de absurdos como, por exemplo, de eu não gostar dele, mas acontece que o meu pai não é capaz de perceber, compreender e tão pouco entender.

Já escrevi que tanto ele como a minha irmã pensam da mesma forma quanto ao meu problema, só que a minha irmã é mais voltada para fé, inclusive no último final de semana tive que ouvir que sou uma pessoa sem fé que não acredita em Deus. Posso dizer que não me tornei Ateu convicto porque há momentos que não acredito em Deus, mas há outros que quero acreditar.

Não estou "acabado", apenas tudo o que mais quero é ficar sozinho, pois chega a ser constrangedor o fato de não ter assunto para conversar com o meu pai visto que detesto ter que falar da minha faculdade. Como ele mesmo disse para a minha irmã, a única coisa que pode falar comigo é sobre futebol e só.

Me sinto mal por isso tanto que cheguei a me trancar no banheiro para ver se conseguia ter algum momento de reflexão, mas tudo o que vem em minha mente são as mesmas lamentações de sempre.

Voltei para a sala e fui no gabinete a onde está o computador e comecei a checar os e-mails, acessar o Orkut, fiz isso para passar o tempo. Em seguida desci pra cozinha e fui até a garagem a onde tem a área de serviço e me sentei na escadinha de um degrau e mais uma vez fiquei naquele momento de reflexão que são vários durante os dias que passo. Confesso que me sinto estranho, esquisito.

Sem saber o que fazer retornei pra sala e sentei no sofá, tentei cochilar um pouco, mas foi em vão. Voltei para o computador e estou aqui agora, escrevendo.

Ah, dei uma pesquisada no Google para ver quanto custa à tomografia computadorizada que preciso fazer e "cai da cadeira" R$ 500,00 mais ou menos. E não tenho condições de pagar este exame e por isso que estou na "fila do SUS" aguardando ser chamado. É mais fácil ganhar na loteria do ser chamado para fazer o exame. Tem pessoas que ficam anos e anos no aguardo e quando finalmente são chamadas, já não estão mais vivas. Infelizmente esta é a realidade, mas acredito que isto mudará um dia, quem sabe.

Nesta quinta-feira faltarei à aula de Fonoaudiologia e Aprendizagem, mas comparecerei no atendimento na clínica até porque não quero deixar as minhas colegas "na mão".

Vou aproveitar as horas livres da manhã para fazer o encaminhamento com psiquiatra e assim começar o tratamento com os antidepressivos, se bem que tudo o que mais queria é que me chamassem para fazer essa tomografia, pois assim saberia o tipo de problema que tenho e qual o tipo de remédio que devo tomar.

Bom o jeito é esperar e me tratar com os remédios porque não tem outro jeito infelizmente.

Abraço a Todos!

Não estou afim de ir para o estágio

Semana passada minha professora contou para minhas colegas e eu que fôra convidada a dar uma palestra pra mais ou menos uns 90 professoras a respeito do uso da voz em Porto Alegre e aí ela nos convidou para que fôssemos juntos até pela razão de fazer monitoria porque ela vai ensinar alguns exercícios de voz e nós como estagiários vamos monitorar essas pessoas para ver se estão fazendo os exercícios certos ou não.

Acontece que desde ontem comecei a pensar em não ir porque de certa forma me sinto mal por ser o único homem do curso e também porque iria de carona com as minhas colegas. Fico até imaginando dentro do carro as ouvindo conversarem sobre os assuntos que costumam falar e eu, ali, apenas escutando tudo em silêncio sem saber o que falar.

Depois chegaríamos ao local e para assistir a palestra da nossa professora e em seguida iríamos monitorar as pessoas que estivessem fazendo os exercícios de voz, só que não conseguiria ajudar em nada porque ficaria nervoso e possivelmente não saberia o que fazer, visto que sou tímido para algumas situações e extrovertido para outras.

Durante o intervalo da aula de anatomia fui até a Clínica de Fonoaudiologia procurar a professora para dizer que teria uma entrevista para emprego e que isto impossibilitaria para que comparecesse, mas acontece que "me deu um branco" e não lembro se é hoje ou sexta-feira que é esta tal palestra em Porto Alegre porque se não for hoje, na sexta não poderei inventar desculpa alguma.

Então quero "ficar por aqui" até porque não estou muito bem por causa de um desconforto na garganta e aqui no Sul os últimos dias tem sido de frio de manhã, calor à tarde e frio de noite. Com o clima desses não há organismo que aguente.

Vi-me obrigado a sair da aula de anatomia porque meu nariz estava ardendo, pois estávamos na aula prática e o professor nos mostrou alguns pulmões, traqueia e outros órgãos do sistema respiratório.

Daqui a pouco voltarei na clínica porque a professora pediu e mentirei dizendo que como estou desempregado, recebi uma ligação durante amanhã de que fui chamado para uma seleção pra vagas de vendedor numa loja de calçados, mas se a palestra não for hoje e sim nessa sexta-feira, vou ter que ter "cabelo no peito" e ir. Não tem outro jeito.

Abraços!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Tive um dia de jardineiro

Não sei o que aconteceu comigo hoje, mas o fato é que resolvi começar a fazer algumas coisas, ajudar, mas tarefas de casa, embora que não seja a minha obrigação e sim da minha madrasta, eu apenas ajudo a lavar a louça.

Há dias que estava com vontade de limpar o pátio de casa, aparar algumas "arvorezinhas", só que me preocupo muito com o meu pai porque ele é muito crítico e às vezes ele se esquece que é o meu pai e age como professor e isso me irrita um pouco.

Aparei as arvorezinhas, lavei a louça e também o chão da cozinha. Depois de muito tempo, hoje foi o primeiro dia que fiquei em casa.

Posso dizer que acordei bem disposto hoje, tanto que depois lavei as minhas roupas e depois arrumei o aparador de gramas e fui cortar a grama. A minha casa é grande então posso dizer que devo ter ficado mais ou menos umas três horas cortando grama. O meu pai chegou e pelo que pude perceber ficou satisfeito, mas teve uma hora que ele se sentou na escadinha da cozinha que dá para a rua e começou a me observar cortando grama e isso já me deixou um pouco nervoso, mas segui em frente e depois ele subiu para o gabinete indo para o computador terminar os seus processos.

Terminei de cortar a grama e amanhã varrerei tudo e deixarei o pátio limpo.

No momento estou com o corpo dolorido, me cortei na perna ao usar o aparador de grama no qual tenho que ficar puxando o fio que a "maquina engole" e minha mãe esquerda está vermelha porque tinha que empurrar o cortador de grama enquanto que a outra mãe usava para segurar o fio.

É meus amigos, hoje estou bem, mas amanhã não sei como estarei. Não me esqueci de que devo começar o tratamento com antidepressivos, acho que até o final da semana conseguirei providenciar isso.

Enfim é isso aí, o meu dia até que foi bom, embora não tenha feito nada de mais, mas pelo menos pude me distrair e esquecer um pouco problemas que tanto me incomodam.

Abraço a Todos!

domingo, 24 de outubro de 2010

Comecei a "abrir jogo": Falei para minha mãe e irmã que estou com depressão


Estes dias de amargura, tristeza, melancolia e apatia não tem sido fáceis pra mim porque como sempre digo, oscilo bastante e tudo vai depender do que acontecer durante o meu dia.

Neste sábado estive na casa da minha mãe (ela estava de aniversário) e pude conversar bastante com ela e com a minha irmã a respeito dos meus problemas.

Enquanto conversava com a minha irmã o seu celular começou a tocar, era o meu pai e logo de cara imaginei sobre o que ele queria falar pra ela. Os dois ficaram mais de meia hora no telefone e eu já havia deduzido tudo.

Depois desta longa conversa perguntei para a minha irmã se era sobre mim que eles haviam falado e ela confirmou tudo, dizendo que o meu pai havia dito que eu gosto de ficar sozinho e que quando me pede para fazer algo, eu faço sem vontade, que eu sou "desligado", que sempre fica sozinho na sala porque estou no meu quarto e outras coisas mais que não me recordo agora.

Não o condeno de pensar assim ao meu respeito, até porque não me vejo como um bom filho devido aos problemas que tenho e também por não poder dividir o que se passa comigo com ele porque sei que não contarei com a sua compreensão.

Bom, sentamos os três na mesa: a minha irmã, a minha mãe e eu. Comecei a desabafar de que tanto elas como o meu pai não faziam idéia de como me sentia e do que se passava comigo porque é muito fácil "alguém de fora" avaliar de forma equivocada sem saber o que realmente passa na minha cabeça.

Falei que estou apático, triste, abatido e que tento "colocar uma mascara" fingindo que não há nada de errado.

Minha mãe tentou me apoiar dizendo que quando as coisas melhorarem, ela irá pagar um curso de informática que me encaminhe para o mercado de trabalho. A minha irmã por sua vez falou que os nossos pais não são eternos e perguntou o que faria quando eles não estivessem mais aqui, em quem poderia "me agarrar"? Apenas fiquei quieto e depois falei que o principal culpado de tudo era eu por ter deixado que esta situação chegasse neste ponto, ou seja, se "tivesse batido o pé" no início de que o curso de Fonoaudiologia não era o que queria com certeza tudo seria bem diferente.

Tivemos uma conversa boa, um diálogo aberto e acabei quebrando a minha promessa de que não contaria que iria começar a tomar antidepressivos, mas falei porque já estava num ponto que não agüentava mais. Será que é tão difícil de se colocarem no meu lugar?

E outra coisa que a minha irmã me falou é de que eu não tinha fé e nem acreditava em Deus, o meu silêncio apenas confirmou parte do que ela falou. Não me considero Ateu até porque há momentos que quero acreditar em Deus, mas há outros que não acredito. Se ele existe, só ficarei sabendo depois que morrer ou não.

Conversamos bastante e depois fui embora. Cheguei no centro e do nada resolvi de que tinha que cortar o cabelo até porque está grande e também estou com barba de uma semana e isso já dá um aspecto depressivo. Cortei o cabelo, mas vou deixar a barba, por enquanto.

Enquanto caminhava de volta pra casa, só pensava em como agir e como o meu pai iria me tratar depois de tudo que ele falou a meu respeito para a minha irmã, mas foi tudo tranquilo e não aconteceu nada de mais, tentei ser normal fazendo um esforço descomunal (até rimou).

Neste domingo vai ter churrasco e tomara que não ocorra nenhuma chateação, assim espero.

Vou ficando por aqui, os meus olhos já estão ardendo.

Abraço a todos e bom resto de fim de semana!


sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Triste e Cansado


Hoje foi mais um daqueles dias em que acordei desanimado, talvez por causa do calor já no meio da manhã. Ontem não estava nada bem e percebo que sou uma pessoa conformada com a minha realidade e que tenho dificuldade de mudar para melhor, de vencer os meus medos e limitações.

Me acostumei muito a me queixar da vida e a reclamar de tudo e isso se deve ao fato de estar desanimado quanto à vida que levo e a solidão que faz parte do meu dia a dia.

Sempre digo que aqueles que sofrem de depressão como é o meu caso não tem a compreensão das pessoas mais próximas. Então tenho que ir "levando" como dá.

Os meus únicos amigos hoje em dia são dois gatos de estimação parece mentira, mas um deles parece que percebe quando estou triste e bem abatido e vêm ficar comigo.

Devido à solidão sinto a necessidade de ter alguém pra conversar e muitas vezes falo sozinho, lógico que não falo na frente das outras pessoas porque se não serei taxado de louco.

Fico pensando como é complicado para as pessoas que sofrem de depressão ter alguém que as entenda. Acho que o meu pai e a minha irmã só se darão conta no dia em que criar coragem (ou seja, nunca) para cortar os pulsos, ou tentar fazer alguma "besteira", mas (in) felizmente não tenho coragem.

Durante o dia fico vagando pela cidade, ou pela faculdade quando não estou no horário de aula pensando, pensando e pensando de como posso me livrar desta tristeza, apatia e melancolia que me acompanha e cheguei à conclusão de que o melhor "caminho" para mim é os antidepressivos porque não posso mais ficar me torturando do jeito que estou, chega uma hora que cansa.

Não sei se vocês sabem o que é ter aquela sensação de não querer chegar em casa, de querer ficar mais um tempo fora. Isso acontece comigo visto que sou uma pessoa que gosta de ficar sozinha e em casa meu pai fica o dia inteiro no computador trabalhando nos processos dele, aliás, ele deveria ter um escritório, mas ele mesmo diz que não daria certo trabalhar com outros advogados.

E agora meu pai reclamou de eu não ter aberto a porta da sala para sair o cheiro da comida que ele estava preparando e disse que eu deveria "ser mais ligado" nas coisas. Realmente ele acha que sou assim desatento porque eu quero. Não sei nem o que pensar mais e nem estou com vontade de falar, prefiro ficar no meu silêncio.

Estou precisando de colo, me sinto como se fosse uma criança desamparada e carente.

Sei muito bem os meus defeitos, mas infelizmente tem coisas que não posso mudar sozinho. Estou cansado de não ser compreendido.

Não é fácil, mas semana que vem sem falta eu vou começar a me tratar e ponto. Chega! Cansei!

Amanhã minha mãe estará de aniversário, vou dar uma passada na casa dela para dar um beijo e um abraço.

Abraço a todos!

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Tomei uma atitude drástica!

Ah, preciso suspirar, respirar bem fundo e dizer que tomei uma decisão dificílima que foi necessária. Não quero nem pensar no que vai acontecer se o meu pai descobrir, porque com certeza ele iria "avançar" em mim. Não tinha ânimo algum para entrar na sala de aula pra prestar atenção no que a professora falava fora que as duas primeiras provas que fiz fui muito mal e para passar só se conseguisse incorporar "um cdf".

A minha decisão pode ter sido errada precipitada, não sei, apenas posso dizer que vou ver o que posso fazer para tentar melhorar nas outras disciplinas porque nestas ainda tenho esperanças de conseguir aprovar.

Já faz alguns dias que estava com essa idéia, mas não tinha coragem de colocar em prática e hoje ao tentar assistir mais uma aula, percebi que por mais que tentasse ter paciência não conseguia. Tentava olhar pra professora a fim de compreender tudo o que dizia, mas não havia jeito algum.

Esperei o intervalo e fui até o protocolo solicitar o cancelamento desta disciplina e não encontrei nenhum empecilho, dentro de alguns dias buscarei o cheque que é o dinheiro da rescisão e verei se conseguirei usar para me tratar.

Sei que não posso fugir, mas estou fugindo e o que mais temo é que o meu pai descubra e aí sim é que iria dar uma briga feia entre ele e eu. Brigar é tudo o que não quero, mas o que posso fazer se ele não me compreende. É difícil!

Muitas vezes brigamos por causa deste curso que faço e uma delas eu cheguei a dormir na rua por uma noite. E num outro momento acalorado falei pra ele:

- Vou me formar nessa bosta (me desculpem o palavrão) e depois vou fazer o que eu quiser.

E desde então venho tocando e "empurrando com a barriga" até onde dá.

Me preocupo com o próximo semestre, mas espero até estar melhor desta depressão, aliás, acho que vou mudar o nome do blog para: Diário de um Depressivo ou alguma coisa assim do gênero visto que estes últimos dias tem sido difíceis de mais para encarar e o único lugar a onde posso buscar palavras amigas é neste mundo virtual.

É duro de mais pra mim ver as pessoas que até certo tempo conviveram comigo, progredindo e evoluindo enquanto eu estou aqui a me lamentar por mais uma cadeira que cancelei, ou pelo fato de não conseguir emprego.

Quero e preciso evoluir, a semana está acabando, mas logo que receber a rescisão da faculdade começarei a me tratar e a tomar remédios porque do jeito que está não mais pra continuar levando. Chega, preciso respirar, preciso viver!

Abraço a todos!

Os Segundos - Foi pouco tempo, mas vivi cada segundo!



Esta música é de uma das melhores bandas de rock que tem aqui no Sul. E alguns versos desta letra tem tudo a ver comigo porque durante pouco tempo eu vivi cada segundo e se tivesse um jeito, gostaria de ter o tempo que passou para poder reviver as coisas boas de novo.

Abraço a todos! 

Antidepressivos. Estou começando a me render.


Nunca pensei que fosse dizer uma coisa dessas, mas acho que irei me render aos remédios antidepressivos. Estou com o requerimento para consultar com o psiquiatra pelo SUS e amanhã passarei no posto para ver o lugar que devo ir para ser atendido.

Sempre vi os remédios "tarja preta" com certo preconceito porque este tipo de medicamento cria uma dependência química na qual a pessoa fica sujeita para o resto da vida. Espero estar escrevendo uma bobagem.

Ontem não tive estágio de fonoaudiologia hospitalar porque professora me ligou e comunicou que não teria nenhum bebê para que pudéssemos avaliar e que era pra ir até a clínica da faculdade.

Cheguei na clínica e cumprimentei minhas colegas e a professora, fomos para a sala de reuniões e lá ela nos contou que foi convidada para dar uma palestra em Porto Alegre a respeito da voz profissional para noventa professores e que ela contava com a nossa presença no evento para ajudar a monitorar as pessoas que estivessem fazendo os exercícios de voz.

Confesso que bateu o nervosismo porque não sou uma pessoa de me expor, fico na minha, no meu canto. Só pra vocês terem uma idéia, quando apresento os meus trabalhos em aula, fico muito nervoso, começo a tremer e gaguejar devido ao nervosismo, mas enfim tenho que a luta e encarar isso.

Voltando ao assunto dos remédios, acabei desvirtuando o post pra variar, mas é que enquanto estávamos na sala de reuniões fui surpreendido quando vi a minha professora tomar Sertralina que é um dos medicamentos utilizados para tratar a depressão. Porque estou escrevendo isso? Bom, sempre vi a minha professora como uma pessoa bem extrovertida, alegre, uma pessoa que ajuda a descontrair o ambiente, mas nunca imaginei que ela estivesse tomando esse medicamento.

Minha madrasta que também estuda na área da saúde já me disse que vários médicos e outros profissionais tomam remédios antidepressivos porque se não eles ficam "sobrecarregados".

Depois do que vi, pensei e refleti sobre fazer o uso de remédios controlados e cheguei à seguinte conclusão: vou precisar começar a tomar esses remédios e o pior é que talvez deva ser pro resto da minha vida.

Sei que alguns podem pensar que o que o que escrevo aqui é uma "encheção de saco", mas como já escrevi anteriormente, estou lutando, mas da minha maneira e estou tentando.

Estou revendo alguns conceitos quanto ao uso de remédios controlados devido ao receio dos malefícios que estes poderiam me ocasionar, mas o fato é que no meu caso só traria benefícios.

Enquanto aguardo ser chamado pelo "SUS" para fazer a tomografia computadorizada para saber se tenho ou não algum problema de cunho neurológico que seja o principal responsável pela minha dificuldade de atenção e aprendizagem, acho que devo começar a tomar um antidepressivo porque sozinho eu não consigo, ou melhor, ninguém consegue.

Abraço a todos e muito obrigado pela força de sempre!

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Uma música que trás boas lembranças!



"Um minuto para o fim do mundo, toda a sua vida em 60 segundos uma volta no ponteiro do relógio pra viver". Esta música marcou muito o fim da minha adolescência e toda vez que a escuto me recordo dos bons tempos de colégio quando os meus colegas traziam o violão e na hora do recreio cantávamos as músicas do CPM 22.

Cada música nos faz lembrar muitas coisas, momentos que vivemos pessoas especiais que passaram pelas nossas vidas e agora estou escutando as músicas do CPM e outras que de certa forma me marcaram.

Na verdade não estou muito inspirado pra escrever e nem pra reclamar como faço sempre por aqui.

A luta segue e destaco duas frases desta música que tem tudo a ver comigo:

"Me sinto só, mas quem é que nunca se sentiu assim.
Procurando um caminho pra seguir uma direção..."

Sou uma pessoa solitária que está procurando um caminho pra seguir, que está aos trancos e barrancos lutando contra si mesmo e espero um dia escrever: Consegui!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Um Fio de Esperança II

Consegui ficar alguns dias longe do computador e isso de certa forma já alguma coisa. Nestes últimos posts escrevi, ou melhor, descarreguei toda a raiva que estava dentro de mim. Precisava e muito! Porque é brabo você não ter uma pessoa para poder conversar sobre os seus problemas e este blog, para mim é como se fosse uma válvula de escape porque desabafo e "coloco pra fora" tudo que sinto de ruim.

O meu abatimento da semana passada se deu por causa das notas baixas que tirei nas provas e também pela apatia que venho apresentando há um bom tempo.

Devido à situação que me encontro, acho que cancelarei uma cadeira assim como fiz no semestre anterior e tentarei me centrar nas outras três que estou cursando porque do jeito que estou não dá para continuar levando.

Mas nem tudo é "dramalhão mexicano" na minha vida. Fui convidado por uma conhecida pra trabalhar na loja em que gerencia e assim poderei ganhar alguns trocados pelo menos.

Outra coisa que acredito que vá me fazer bem é o atendimento psicopedagógico que estou realizando na universidade. As conversas que tenho com a estagiária de psicopedagogia são bem produtivas e quando termina o atendimento parece que me sinto melhor.

Então não discordando das opiniões que li no post "Um fio de Esperança" no qual era questionado se fazia alguma coisa para tentar mudar a minha situação, posso dizer que da minha forma estou lutando e como sempre escrevo nestas linhas virtuais não é fácil, mas estou tentando.

Agora estou na faculdade e daqui a pouco me trancarei em uma sala para tentar estudar para a prova que terei na quarta-feira de Anatomia.

Ah, a estagiária que está me atendendo na clínica de psico elogiou muito a minha voz e perguntou se já não tinha "tentado" na rádio da universidade, falei que apenas olhei o site, mas que não sabia como proceder. Ela não me prometeu nada, mas iria tentar me levar para conhecer a rádio.

Outra coisa que estou fazendo exaustivamente e gravar imitações que ainda não consegui colocar no Youtube porque preciso ter um programa especifico para converter vídeos e áudios.

Bom vou ficando por aqui. Fiz um apanhado de coisas, mas só pra deixar claro como diz uma música: "dias ruins todo mundo tem" apenas isso e quando fico neste estado é difícil, complicado, mas luta segue e eu devo continuar persistindo.

Abraço a todos e muito obrigado pelos comentários!

P.S: Acabo de receber uma ligação para comparecer numa entrevista de emprego amanhã.


quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Um Fio de Esperança

Sai da aula de fisiologia com mais uma nota baixa para a "minha coleção". Tirei 2,1 e praticamente terei que fazer a avaliação complementar no final do semestre. Dentro da sala de aula estava angustiado, nervoso e não via a hora de dar o "intervalo" pegar a minha pasta e sair dali.

É meus amigos estou perdido, se meu pai fica sabendo do meu desempenho acadêmico é capaz de me "matar". Não sei o que fazer me vejo perdido porque se reprovar sei que ele irá brigar comigo dizendo que não trabalho com o tempo que tenho devo estudar e o que posso argumentar? Nada, porque falar com ele e uma parede é a mesma coisa infelizmente.

Passei à tarde atrás de uma tela de computador vendo alguns vídeos no Youtube esperando chegar a hora do atendimento psicopedagógico.

Neste momento estou bem, mais animado e isto se deve ao atendimento e a estagiaria de psicopedagogia que está me atendendo. Ela está sendo muito legal comigo e isso é muito importante, criar o vínculo com o paciente.

Cheguei na clínica de psicologia e me dirigi até a recepção, perguntei para a secretária se esses atendimentos eram gratuitos e ela respondeu que sim. Ufa! Fiquei mais tranquilo.

Depois me sentei e fiquei esperando até que fui chamado. Fomos para uma sala e lá ela começou a fazer mais algumas perguntas até para me conhecer melhor e fui respondendo a todas.

Conversamos bastante, falei a respeito dos meus pais, do meu pai que é uma pessoa difícil de lidar e conviver, da história de como entrei no curso, de que na verdade gostava de música e sonhava trabalhar no rádio e por aí vai.

Não vou escrever mais coisas porque se não me estenderei e ficarei até amanhã, mas o que posso dizer é que este atendimento me fez sentir melhor e ela vai ver se não consegue me levar até a rádio da faculdade para ver se não consigo alguma coisa por lá e mais uma vez elogiou a minha voz.

Então, apesar desta "turbulência" acho que posso vislumbrar um fio de esperança quem sabe. Seria tão bom se as coisas melhorassem pra mim e eu saísse desta "vidinha" que levo. Quanto a esta cadeira de fisiologia, não sei ainda o que fazer e nem estou preocupado, ou melhor, a única preocupação que tenho é o meu pai. Seguirei escrevendo como sempre. Agora vou pegar o meu ônibus pra chegar as 23h00min em casa.

Um Abraço a todos!

Depressão ou Distimia: Acho que os dois.


Ontem à noite acessei a comunidade do Inter, time pelo qual eu torço e me deparei com um tópico que chamou a minha atenção. Era de um rapaz que estava pedindo ajuda porque o seu pai sofria de depressão.

Ultimamente tenho me focado mais na depressão do que na distimia, pois estou num momento depressivo e já faz alguns dias que ando abatido, mas "coloco uma mascara" para esconder essa tristeza e melancolia que tem me perturbado bastante nos últimos dias.

Ao ler os comentários das pessoas que postavam no tópico da comunidade constatei que alguns não têm noção do que é a depressão e fazem brincadeiras de mau gosto, mas felizmente nem todos são assim porque assim como eu os outros que comentavam no tópico também auxiliavam dando o maior apoio para que este rapaz.

Muitos não sabem como começa a depressão e porque ela acontece, sendo que muitos têm e não se dão conta.

No meu caso posso dizer que começou na infância e deu uma "trégua" no último ano de ensino médio e isso faz quatro anos e depois ingressei na faculdade, um "mundo" totalmente diferente para mim. Aos poucos fui perdendo contato com as pessoas com quem me relacionava bem e com isso a alegria e vontade de viver que havia descoberto deram lugar a tristeza e a vontade de morrer.

Quanto a este rapaz, ele relatou que o pai havia procurado a sua mãe para dizer que estava com depressão e logo mais ele também ficou sabendo e a partir daí a família "abraçou" esse senhor, ou seja, começou a apoiá-lo para que conseguisse sair dessa situação e é aí que fico com inveja porque se for procurar o meu pai pra dizer que estou com depressão, ele vai pensar que isso é bobagem da minha cabeça e a minha irmã com certeza vai dizer que estou "inventando" o problema.

Para a pessoa lutar contra a depressão é necessário que além do tratamento psicológico/psiquiátrico a sua família esteja mais do que nunca reunida auxiliando na sua reabilitação.

Agora estou numa fase totalmente apática (com o perdão da redundância) só pra citar alguns exemplos: perdi um livro que retirei da biblioteca da faculdade e nem estou preocupado embora tenha tentado procurar; à tarde fui até o hipermercado para comprar um refrigerante, salgadinho, bolacha recheada e debitei no cartão de credito. Sou uma pessoa que não tem a mínima condição de fazer conta com cartão porque estou desempregado e não consigo emprego de jeito nenhum por causa do curso que é de dia.

Como meu pai não quer que eu gaste com o plano de saúde, a minha saída é apelar para o SUS. O brabo é que não queria ter que me entupir de remédio para o resto da vida, mas acho que isso será necessário infelizmente se eu quiser me livrar desta depressão e distimia. Olha, já nem sei mais o que tenho francamente! Talvez deva pensar em outro nome para o blog porque está complicada a coisa para o meu lado.

Então é isso, vou ficando por aqui, embora tenha alguns erros de português, escrever é a única coisa que me interessa no momento e nada mais e agora vou para o atendimento psicopedagógico.

Um Abraço a todos!

Solidão a Minha Companhia


A solidão é algo que me acompanha há um bom tempo. Já me acostumei a ser sozinho e levar uma vida solitária com o perdão da redundância.

Sempre digo que a solidão tem o lado bom e o lado ruim porque ao mesmo tempo em que gosto de ficar só com os meus sentimentos e pensamentos também gostaria de estar numa "roda" de amigos me divertindo, cantando, falando besteira e fazendo palhaçada.

Hoje em dia posso dizer que me tornei um zumbi, um ser que carrega "um vazio" enorme dentro de si, que apenas vegeta, não sabe o que é viver de fato e tão pouco o que é ser feliz, aliás, a felicidade pra mim é olhar vídeos engraçados no Youtube e dar boas risadas. Apenas isso.

Diariamente vago pelas ruas, ou indo a pé da faculdade para casa ou até o centro. Caminho bastante e durante as caminhadas costumo cantar algumas músicas. Apenas paro de cantar quando alguém se aproxima com receio de que pensem que sou um louco. Ah, e também falo sozinho.

Às vezes me questiono por quê? Será que um dia essa tristeza que carrego dentro de mim cederá e dará lugar a felicidade?

É difícil ter que viver assim e sofrer desta forma.

Quase sempre vem um "flashback" e começo a recordar dos bons tempos de colégio, dá época em que era feliz e não sabia. Infelizmente tem certas coisas que precisamos perder para aprender a valorizar.

No último ano de ensino médio havia vencido a depressão, estava me relacionando muito bem com os meus colegas, tanto que fizemos uma viagem de formatura a onde nem todos conseguiram ir, mas os que foram se divertiram bastante.

As lembranças ficam na memória e quando dou por mim, estou longe, distante. Vejo-me como uma pessoa triste, apática, melancólica e sem perspectivas de que algo melhore.

Até vou me contradizer porque acima escrevi que não sei o que é ser feliz, mas posso dizer que num momento da vida soube sim o que era rir, me divertir e ter amigos.

No momento "estou fraco", apático, sem forças pra lutar e encarar os meus problemas. A minha esperança está no exame de tomografia computadorizada do crânio que estou aguardando pra ser chamado pelo SUS (se depender do SUS vou ficar um bom tempo esperando) e no atendimento psicopedagógico que a faculdade oferece para os acadêmicos com dificuldades de aprendizagem e iniciei a uma semana.

Enfim a solidão é a minha companhia, já me acostumei com isso, mas também gostaria de saber o que é estar rodeado de amigos e até me permito mais um questionamento: se eu fosse feliz e tivesse amigos de verdade com os quais poderia contar não só nas horas boas, mas como nas ruins também, será que teria essas dificuldades?

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Cérebro Precisando de Exercício Urgente!

Minha cabeça anda fraca há tempos e isso está me preocupando bastante. Só pra ter uma idéia, organizei os números de telefone da agenda do meu celular tudo para um mesmo nome porque como os números estavam salvos no "chip", eu não tinha como, por exemplo, como colocar um número a mais num mesmo contato. Então comecei a organizar os números, alguns passei pra memória do aparelho e outros deixei armazenados no "chip".

A dificuldade era tanta para que conseguisse decorar os números que por vezes tinha que voltar na agenda para olhar novamente e assim digitar. Isso é apenas um exemplo, porque algumas pessoas conseguem "gravar" números de telefone "na hora", só que no meu caso, pareço uma pessoa de mais idade que tem problema de memória.

É preocupante porque sou jovem ainda, mas sei que não sou a única pessoa do mundo que se esquece. Outro exemplo que acontece com muita frequência é a onde coloquei as minhas chaves, o meu celular, a minha carteira e por aí vai... E agora me aconteceu uma: perdi um livro que havia retirado na biblioteca da faculdade e não consigo me lembrar mas de jeito nenhum a onde teria deixado. Daqui pouco passarei no setor de "achados e perdidos" da faculdade para ver se acharam este livro em alguma sala de aula porque se não terei que pagar multa e provavelmente comprar outro livro para repor o que perdi.

É meus amigos, o meu cérebro está precisando seriamente de exercícios, eu que sou novo ainda tenho esses problemas, imagina quando envelhecer como é que vou ficar? Essas "coisas" passam na minha cabeça a todo instante.

No momento, resolvi começar a fazer palavras cruzadas para tentar aprimorar a minha memória e concentração. Isso de fato é um exercício e ajuda bastante a não deixar o cérebro "parado".

Esta é a única alternativa que vejo enquanto aguardo para ser chamado pra fazer a tomografia computadorizada.

Vou ficando por aqui, talvez tente escrever mais algumas coisas neste espaço, ou talvez não.

Abraço!

sábado, 9 de outubro de 2010

Dia perfeito: Fiquei Parte do Dia Sozinho em Casa


O gravador está inserido neste aparelho,
tenho que cuidar pra não "viciar" a bateria.

Sempre digo que se não me "entreguei" para a depressão é porque caminho bastante, sendo que essas caminhadas fazem muito bem. Recomendo! Se você está com depressão e não consegue mover uma "pena" faça um último esforço, saia da cama coloque um abrigo e um tênis e saia pra caminhar. Fica a dica!

Como vocês sabem sou uma pessoa que vou dos oito aos oitenta, infelizmente não tenho o poder de controlar o humor, tudo depende da situação que se passa.

Nunca pensei que escreveria quatro posts no mesmo dia, mais do jeito que estava não tinha como "guardar" dentro de mim a raiva, tristeza e frustração que sentia por não conseguir encarar os meus problemas de frente. Por isso escrevi, escrevi e escrevi.

Hoje foi um dia perfeito para mim. Fiquei sozinho em casa e assim pude me sentir mais a vontade comigo mesmo. Gosto de ficar sozinho, mas sempre digo que ao mesmo tempo em que prefiro ficar só, gostaria também de estar rodeado de amigos, cantando ou passeando em algum lugar.

Liguei o computador e procurei algum site que tivesse músicas sem o playback (a voz do cantor) para que pudesse colocar a minha voz em cima.

Procurei a melhor música que se adequasse com a minha forma de cantar e achei "Primavera" que foi gravada originalmente pelo Tim Maia e depois outros artistas a regravaram. Pois bem, cliquei no link e abriu o média player, a música começou e eu demorei para começar a cantar, me senti um pouco frustrado porque canto muito bem à capela, só que quando tem a música junto, eu sempre atraso e nunca sei a hora certa para começar a cantar, mas nada como umas horas de ensaio.

Depois peguei o celular, liguei o gravador e como uma criança comecei a me gravar cantando e depois escutava como ficavam as gravações. Pretendo assim que puder colocar os vídeos a onde canto e as minhas imitações (não apareço nos vídeos) no blog.

À tarde saí para caminhar e passei no shopping que estava lotado, aproveitei e fui para o segundo piso a onde tem um monte de gurias para ver se criava coragem de me aproximar em alguma. Que nada! Só fique na vontade.

Continuei caminhando por lá até que resolvi voltar pra casa e enquanto caminhava pela rua, ia cantando algumas músicas e quando alguém passava por mim, na hora me calava e depois continuava.

Bom, este foi o meu sábado, que emocionante heim? A minha única diversão hoje foi brincar com o gravador do celular como se fosse uma criança, pelo menos posso dizer que me diverti um pouco.

Abraço a todos e bom resto de fim de semana!

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Uma luz no fim do túnel. Será Possível?


Estou a fim de escrever mesmo e até poderia ter me estendido mais nos outros posts, mas acontece que ficaria cansativo de mais para quem acompanha este blog. Como sempre falo, às vezes canso aqueles que lêem estes textos porque sempre são as mesmas coisas, as mesmas lamurias e lamentos.

Pois bem antes de ir fazer a prova fui até a Clínica de Psicologia, é lá que tem o núcleo de apoio aos alunos que estão desmotivados e encontram dificuldades para estudar como é o meu caso.

Cheguei lá sem saber como me dirigir para a senhorita que estava no balcão embora, nem parece que sei me expressar e comunicar. Fui bem atendido, assinei uma ficha que não perguntei sobre o que era e nem se precisava pagar algo, mas acho que não é caro porque como aluno da instituição ganho um desconto.

Sentei nas cadeiras esperando para ser atendido, o meu desanimo era total devido a esta e outras preocupações que povoam a minha mente e que não consigo achar a solução.

De repente fui chamado por uma moça que talvez fosse uns dois anos mais velha que eu, muita simpática me conduziu até a sala do atendimento me deixando bem à vontade para expor o problema que tanto vêm me perturbando.

Ela começou a fazer a anamnese que é mais ou menos uma entrevista a onde os profissionais da saúde coletam os dados do paciente perguntado a respeito do problema que o levou a buscar o atendimento.

Falei tantas coisas que nem sei se me recordarei. Apenas disse que estava desmotivado e apático e que não tinha força de vontade para mudar, que não me animava para estudar, que eu tinha um só caderno para as quatro cadeiras que estava fazendo. Foram tantas coisas e aí ela me perguntou se eu gostava do curso que estava fazendo, respondi que não sabia mais se gostava ou não do curso de fonoaudiologia e que antes de entrar na faculdade eu tinha como objetivo fazer algo relacionado ao rádio. Ela inclusive elogiou bastante a minha voz. Me perguntou se já havia participado de algum evento a onde tive que usar a voz e falei que sim, no último ano de ensino médio eu fui o narrador de uma peça de teatro que teve no colégio.

O que pude sentir é que ela me passou muita confiança e isso é muito importante porque para quem estuda na área da saúde, sabe que é preciso criar o vinculo com o paciente antes de iniciar qualquer terapia.

Meu atendimento será duas vezes por semana. Quero ver ainda quanto precisarei pagar para ser atendido, espero que dê para eu arcar com isso porque mais do que nunca preciso de ajuda porque sozinho eu não consigo fazer nada.

Então apesar das dificuldades, acho que estou começando a "enxergar uma luz no fim do túnel". Enquanto aguardo para fazer o exame de tomografia computadorizada que pode detectar ou não se tenho algum problema neurológico, vou participando deste atendimento em busca de um melhor desempenho na faculdade.

Hoje foi um dia que eu quero esquecer porque primeiro: tirei 0,7 na prova de Fonoaudiologia e Aprendizagem que recebi nesta manhã; segundo: porque não consegui estudar, tão pouco colar e por isso tirarei mais uma nota baixa.

Espero que este atendimento possa ajudar e muito para que me torne uma pessoa organizada, determinada e mais responsável.

Enfim, que venham dias melhores porque estou cansado de só ver dificuldades na minha frente e o pior disso tudo é que a pessoa que poderia me ajudar não "enxerga o meu lado", não me compreende tornando as coisas mais difíceis para mim.

Mais Uma Prova = Que Tristeza


Estou chateado e me sentindo a pessoa mais idiota e estúpida do mundo. Quis bancar o espertalhão ao tentar "colar" na prova de fisiologia. Sentei no "fundão" da sala e escondi entre o casaco e a minha calça as "colinhas" e mesmo assim o meu plano foi por água abaixo.

A professora era muita atenta e caminhava entre as classes observando tudo e eu estava mais preocupado em esconder as minhas "colas" para não ser pego.

Definitivamente acho que preciso de "umas aulinhas" para me tornar "expert" na arte de "colar" porque me falta malícia para fazer isso.

Quando entrei na sala peguei os polígrafos de "pressão arterial" e "sistema cardiovascular" para estudar, ou melhor, tentar estudar e mesmo assim não conseguia focar e tão pouco registrar aquilo que estava lendo.

Já meio irritado guardei os polígrafos e fiquei esperando que a professora entregasse as provas, coisa que aconteceu assim que lotou a sala, pois somos cinqüenta pessoas.

Preenchi a prova com as únicas coisas que sabia até então: o meu nome e a data. Em seguida olhei para minha perna para "achar" a resposta de uma questão mais foi em vão porque tinha que ser cauteloso e não podia dar na vista que estava colando.

Estava apreensivo e preocupado em ser descoberto e a partir daí começou a pensar numa maneira de me livrar daquelas "colinhas" sem que a professora percebesse. Foi no momento em que um colega entregou a prova que consegui aproveitar a distração dela para esconder aqueles papeizinhos que pensei que iria me ajudar e muito no meio dos meus materiais.

Não sabia o que fazer e dei graças a Deus de a prova ser objetiva porque se fosse dissertativa com certeza a entregaria em branco.

Fico até pensando, lógico que não posso generalizar, mas acredito que tinha gente "colando" naquela sala, só que a diferença deles pra mim é que são mais "preparados" e "experientes". Apenas isso.

Vou esperar a professora colocar as notas no "portal" e dependendo de como for, acho que cancelarei esta cadeira porque como fui mal na primeira prova somando-se a esta que fiz agora a situação fica completamente delicada.

Então meus amigos, escrever é a única coisa que me satisfaz ainda porque aqui, neste mundo virtual eu sou ouvido, compreendido e aconselhado. Não está fácil, mas tenho que continuar tentando.

O que é ser responsável?

Resolvi me estender no assunto, pois julgo ser interessante. A pergunta "o que é ser responsável?" para muitos é fácil de ser respondidas, mas para outros como eu não há resposta.

Ser responsável é ser organizado, ter boa conduta e cumprir obrigações. Sempre digo que sou apático e vocês já devem ter cansado de ler esta palavra por aqui.

Um exemplo de responsabilidade é não fazer contas no cartão de crédito, ou seja, se a pessoa tem que comprar algo que compre à vista ao invés de ficar gastando e gastando no cartão.

Posso dizer que aprendi uma lição porque ao fazer um cartão de crédito numa rede de supermercados me "entusiasmei" e pensei que conseguiria cobrir a despesa no final do mês deste cartão. Engano meu!

Num ato de irresponsabilidade agi sem pensar e ao receber a fatura do cartão percebi que teria dificuldades para pagar, menos mal que não a divida era menos de R$ 40,00, sendo que meu pai me dá R$ 50,00 pra cobrir as despesas da semana.

Por incrível que pareça deixei de fazer outras coisas como, por exemplo, me inscrever em aulas de teatro por causa dessa continha que fiz. Pensando bem, nem vou fazer teatro, pois não tenho como pagar R$ 70,00 por mês a não ser que tivesse trabalhando aí sim é que seria bem diferente.

Acontece que em alguns momentos acabo agindo com imaturidade e quando dou por mim acabo metendo os pés pelas mãos.

Existem pessoas que são exemplos de responsabilidade nas quais deveria me espelhar: o meu pai que passou por muitas dificuldades até conseguir certa estabilidade na vida, a minha madrasta que no momento está desempregada, mas faz faculdade é esforçada e muito dedicada.

Mas eu por mais que queira tenho dificuldades de "sair do chão" de "me mexer" "fazer alguma coisa". Querer é uma coisa, mas para isso tem que se ter força de vontade para mudar e a minha dificuldade está neste quesito.

Pensando bem nunca fui exemplo de aluno ou pessoa dedicada, mas na época de colégio apesar das minhas dificuldades eu pegava os livros e os cadernos e estudava três horas por dia. Hoje em dia nem isso faço, apenas espero saber se terei que fazer o exame para daí tentar estudar e o pior é que quando tento, me desanimo completamente.

Ando preocupado com isso e mais outras coisas, afinal na minha cabeça se passa várias coisas e como o meu curso está em extinção na universidade em que estudo a preocupação aumenta ainda mais.

Ontem encaminhei os papéis para a fazer a tomografia computadorizada e agora me resta apenas esperar porque é pelo SUS então já dá pra imaginar a demora que vai ser.

Não sei se este exame apontará algum problema, mas tudo que sei é que preciso saber de o porquê ter essas dificuldades de memória, concentração e aprendizagem. Tem que ter algum motivo.

É, a palavra responsabilidade não existe no meu dicionário, mas espero em breve poder incorporá-la e agora vou começar neste núcleo de apoio aos acadêmicos com dificuldades de aprendizagem que abordei no post anterior. Vamos ver o que me espera talvez me encaminhem para o setor de psicologia, não sei ainda, mas se me perguntarem alguma coisa a única resposta que poderei dar é que estou apático e desmotivado.

Espero que este atendimento me auxilie bastante e me ajude a resgatar um pouco daquela pessoa que fui um dia, ou seja, mesmo com tamanhas dificuldades me esforçava e conseguia superar tudo. Preciso ser mais responsável porque isso é apenas o começo de tudo. Sendo responsável, acredito que poderei melhorar não só nos estudos, mas em outros aspectos tornando-me uma pessoa dedicada, comprometida e organizada.

Como "afastar" a apatia e ser mais responsável?

Estou um pouco abatido porque tirei mais uma nota baixa no semestre, talvez este sentimento seja um sinal de que preciso reagir e sair desta situação complicada em que me encontro.

Das quatro disciplinas que faço em três já tirei notas baixas nas provas que realizei até agora. Com o desânimo e apatia se abatendo sobre mim, fica bem mais complicado me esforçar para melhorar as notas, sendo que não tenho força de vontade e também está faltando empenho, determinação e acima de tudo responsabilidade.

Esse é o tipo de pessoa que me tornei, sem vontade alguma para fazer algo.

A única coisa que posso dizer de bom é que com os florais que estou tomando o mau humor que era constante já não perturba tanto.

É estranho e porque não dizer curioso que mesmo estando bem humorado, não consigo de jeito nenhum "afastar" a apatia. Sinto ausência de sentimentos, "um vazio" enorme que não sei como descrever.

De fato sei que a situação é extremamente delicada e há duas semanas após ter feito uma prova na qual tinha a mais absoluta certeza que iria mal, coisa que confirmou hoje, decidi naquele momento buscar "ajuda" porque se não iria conseguir a proeza de reprovar em todas as disciplinas. Então procurei um núcleo de apoio para alunos que estão com dificuldades para estudar que tem na universidade em que estudo visando a melhorar, descobrir se tem alguma forma de fazer com que consiga entender e assimilar o conteúdo que vejo em aula.

Logo às 18h30min irei até esse núcleo de apoio de depois irei fazer mais uma prova que é de fisiologia. A minha preocupação é tanta que acabei fazendo "umas colinhas" no computador para usar no momento em que estiver preenchendo aquelas folhas.

Espero hoje dar o "pontapé inicial" para minha recuperação e fazer jus ao Nick que represento no blog que é o de Ikki, o cavaleiro de fênix que renasce das cinzas.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

O que está acontecendo com o humor e a música brasileira?


           
            Você consegue achar graça?
         
            
                      Você consegue ouvir "um som destes". 

O humor brasileiro de hoje é completamente diferente daquele de alguns anos atrás quando não era preciso fazer humor em cima da desgraça alheia como o Pânico que pra dar mais audiência coloca um monte de mulher bonita de biquíni para dançar. Isso é uma opinião pessoal, porque hoje já não me divirto rindo da cara dos outros e acho uma falta de respeito isso que eles fazem que é ridicularizar a pessoa. Já o CQC é um humor mais inteligente e menos apelativo e ao invés de ridicularizar uma pessoa desdentada ou feia, eles ridicularizam os políticos de Brasília que pouco ou nada fazem pelo povo Brasileiro. Outro programa de humor se é que dá pra chamar de humor é o Zorra Total que não vejo graça nenhuma, talvez o problema seja eu, não sei, mas o fato é que não consigo achar graça nenhuma daquele programa.

Antigamente os programas de humor eram para a família brasileira, ou seja, todos assistiam e davam gargalhadas.

Resolvi abordar sobre estes dois temas porque ontem meu pai e eu demos boas gargalhadas ao assistir no canal VIVA da Rede Globo a Escolinha do Professor Raimundo a onde éramos privilegiados a assistir humoristas do porte de Chico Anísio, o mestre do humor e renegado pela Globo, os saudosos Walter D’Avila, Rogério Cardoso, Costinha e por aí vai.

Até pensei, que se a Globo colocasse a Escolinha do Professor Raimundo no lugar do Zorra Total com certeza iria dar mais audiência.

Meu pai me falou com saudosismo da época que tinha programas que animavam não só os finais de semana, mas como a semana também e que hoje o que se vê é só novela, futebol e filme. Cadê a graça!

Depois assistimos o Sai de Baixo que passou na década de 90 e foi até os anos 2000. Impossível não rir do Ribamar, da Edileusa, da Cassandra, do Vavá, do Kako e da Magda que ficou conhecida pelo bordão: "Cala a boca Magda".

Um dos melhores programas de humor da minha infância foi os Trapalhões, eu lembro que era muito pequeno, mas dava muitas gargalhadas do Mussum, Zacarias, Dedé e Didi com aquele humor circense e sem baixaria.

Não sei se teria como me lembrar de mais algum programa de humor que tenha sido bom. Fico nestes.

Sempre digo que nós brasileiros estamos carentes de grandes artistas não só do humor como da música também.

Sobre a música, comecei escutando música sertaneja e até hoje sei de cor as músicas que cantava do Leandro e Leonardo e João Paulo e Daniel. Depois que cresci comecei a gostar de rock e a primeira banda que eu "curti" foi Legião Urbana com suas letras nas quais criticavam a política, o Brasil. Em seguida vieram as outras bandas como CPM 22, LS Jack, Catedral, Capital Inicial, Ira!, Paralamas do Sucesso, não sei se esqueci de alguma banda, mas vou ficar nessas aí.

E hoje o que se tem é Restart, NX Zero (até gosto de algumas músicas), Fresno (que é aqui do meu estado). Bandas que não tem a "pegada" do rock, não têm a mesma qualidade musical das grandes bandas do rock nacional que parecem que estão esquecidas, mas cada um é cada um.

Acho que fiz uma "salada de frutas" aqui, mas acho importante debater sobre isso e também tentar saber o que está acontecendo com a música e o humor brasileiro.

Enfim, como a programação da tevê é muito ruim, não tem programas que entretêm a família brasileira, a única "salvação" é para quem tem condições, ir até o Youtube e olhar Os Trapalhões, Sai de Baixo, A Escolinha do Professor Raimundo e escutar grandes bandas do rock nacional como Barão Vermelho que estou citando agora, Legião Urbana, Capital Inicial, Paralamas do Sucesso... Temos que agradecer ao criador do Youtube por ter feito esta ferramenta que é capaz de nos socorrer dos péssimos programas da tevê e porque não destes músicos melodramáticos que usam calça colorida e mais se parecem com extraterrestre, monstros do espaço. Acredito que eles devem ser uma experiência do exercito mal sucedida.

Perguntinhas:

E você o que acha dos programas de humor da tevê brasileira?

O que você pensa a respeito da qualidade da música brasileira hoje em dia?

Fique livre pra discordar deste humilde blogueiro.


segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Terei prova de fisiologia. Acho que vou "colar"


Estou apavorado com a prova de fisiologia que terei nesta quinta-feira sobre Sistema Cardiovascular. É muita coisa para estudar e como tenho sérias dificuldades para assimilar as coisas tudo parece ser mais difícil. Até porque como costumo dizer, esta cadeira é caça-níquel, ou seja, só serve pra tirar dinheiro sendo que o que mais interessa é lidar com problemas de escrita, fala linguagem, voz etc.

Durante o caminho para a faculdade tentei, digamos me auto-sugestionar com pensamentos do tipo: "sou uma pessoa guerreira, sou batalhador... Fiz isso para ver se conseguia focalizar nos problemas que convivo diariamente, mas para fazer isso, acho que devo me aprofundar em auto-hipnose.

Todo domingo é a mesma coisa, digo que vou melhorar, vou mudar, mas quando começa a segunda-feira eu já volto para aquele estado de apatia.

Curioso é que há tempos não estou de mau humor, somente isso, pois ainda persistem as dificuldades de raciocínio, déficit de aprendizagem e por aí vai.

Não estou depressivo, mas sim preocupado com esta apatia que relatei anteriormente, sendo que encontro-me bem humorado. Como posso explicar isso?

Às vezes me sinto um vadio por causa disso, mas o problema é que não estou conseguindo reverter o "placar do jogo" estou em "desvantagem" preciso "empatar para depois quem sabe conseguir fazer o gol da vitória".

Nesta cadeira estou pensando em até fazer uma "cola" para a prova que terei na quinta-feira devido ao grau de dificuldade que tenho para compreender e entender a matéria. Infelizmente, acho que terei que fazer isso para ver se consigo tirar uma nota mais ou menos.

E como ando com dificuldade de compreensão não poderia deixar de contar que a minha professora de Fonoaudiologia e Aprendizagem pediu que lêssemos o capitulo de um livro que ela escreveu. Até aí tudo bem, mas quando fui ler acabei me deparando com palavras difíceis de serem compreendidas que contribuíram para que tivesse dificuldades de interpretar o que ela estava dizendo no capitulo daquele livro.

É, vou ver o que posso fazer, vou tentar estudar e também fazer uma "cola" e rezar para não ser pego pela professora. É brabo ter que fazer isto!

Abraço a Todos!